terça-feira, 8 de abril de 2014

Eurocentrismo e terceiromundialismo

Roberto da Silva Rocha, professor universitário e cientista político Eurocentrismo e terceiromundismo Roberto da Silva Rocha, Cientista Político. Cuba; maior produtor de açúcar do mundo. Brasil: maior produtor de soja do mundo. Brasil: maior produtor de álcool de cana-de-açúcar do mundo. Brasil: maior potencial hidroelétrico do mundo. Brasil: maior reserva de minério de nióbio (metal das turbinas e dos foguetes) do mundo (92% da reserva mundial). Oriente Médio: maior concentração de reservas de petróleo do mundo. Venezuela: segunda maior reserva mundial de petróleo. Brasil: grande incidência de sol do mundo, entre as maiores regiões litorâneas com praias sem fim. Bolívia: maior reserva de lítio do mundo. Bolívia: maior produtor de coca do mundo. Brasil: maior rebanho bovino do mundo. Brasil: maior produtor de frango do mundo. Brasil: maior produtor de sal mineral do planeta. Brasil: tema a maior floresta de chuvas do mundo: a Amazônia. Brasil: tem uma população miscigenada, onde quase todos são mestiços de uma ou de três intergerações de miscigenação complexa. Diante destes fatos o que significa a expressão “ ser politicamente-correto” e outras concepções filosóficas, políticas e visões de mundo forjadas pela inteligência do primeiromundismo? O chamado primeiro mundo pretende separar o mundo em duas esferas bastante distintas, onde os seus produtos possam sempre estar no patamar superior de produtor de ideias, serviços, cultura, ideologias, e produtos Premium. Desta forma despeja no terceiro mundo uma torrente de concepções sobre tudo aquilo que merece ser considerado essencial para um padrão de vida civilizado e Cult, que é o padrão europeu, em oposição aquilo que deve ser considerado não civilizado: o padrão terceiromundista. Assim, estamos recebendo concepções de padrões de comportamento acriticamente, em busca de alcançarmos o único padrão aceitável de civilização que o modelo do primeiro mundo procura incutir e espelhar-nos. Tudo que devemos desejar é que as nossas cidades sejam como as do primeiro mundo, devemos desejar que a nossa língua de referência fosse uma das línguas faladas no primeiro mundo, desejássemos repetir aqui nos trópicos todos os modelos de comportamento do primeiro mundo para nos situarmos nos modelos eurocivilizados. Assim desperdiçamos recursos formando o maior contingente do globo de cientistas sociais, onde 99,999% das teorias e das ideologias, quase todas as religiões e formulações filosóficas nasceram das cabeças europeias. Nada de engenheiros, matemáticos, químicos e biólogos. Quem precisa de tantos doutores e mestres, apenas para se exibirem e reproduzirem literatura devidamente espelhada e referenciada pelos pensadores europeus, dos pensamentos moldados e devidamente certificados pela sabedoria de alguma universidade europeia ou neoeuropeia da América do Norte, apenas porque as latinouniversidades não tenham as suas credenciais reconhecidas, embora toda a bibliografia delas seja 100% europeia ou neoeuropeia. Assim, sem nos perguntarmos se devemos criar ou não um novo padrão de comportamento apenas buscamos seguir o modelo eurocentrista para as nossas ciências e para as nossas instituições financeiras, políticas, sociais, familiares, religiosas, científicas, jurídicas, morais e militares sem sequer olharmos para as alternativas colocadas muitas vezes pelas culturas orientais, como a indiana, a chinesa, a indonésia, como também pela africana, pela latinoamericana, pela árabe, então o único padrão a ser digno de ser reproduzido é o eurocêntrico. Ficamos a macaquear os europeus, ridiculamente, nos orgulhando em buscarmos os padrões europeus nas escolas e universidades para garantir a qualidade dos certificados e diplomas de saberes com o aval do velho continente. Assim, somos bombardeados com concepções e com abordagem de problemas que ainda não estamos preparados a enfrentarmos na sociedade brasileira (talvez não existissem tais demandas se não fossem colocadas na agenda dos protoeuromídia de massa brasileiros), que convive uma parte da sociedade latinamericana comprometida ideologicamente com as ideias do primeiro mundo, disputando o modelo institucional com a outra parte da sociedade majoritária da população que vive de modo simples, conservador e muito ligada ao tradicional, assim, aquela parte que vive com a cabeça no euromundo força a introdução daquelas chamadas conquistas do primeiro mundo (seiscentos milhões de habitantes) que estão em choque frontal com as demais concepções de mundo da Ásia, África, Oriente Médio, Oceania (sete bilhões de seres humanos) o que tem provocado um choque de civilizações e guerras religiosas que explodiram emblematicamente no dia onze de setembro de dois mil e onze, o qual deveria ser o marco fundador da era de separação e de isolamento entre as concepções ditas vencedoras da guerra das culturas e aquelas ditas atrasadas dos terceiros e quartos mundos. O primeiro passo foi dado com a criação da imagem de Jesus “branco”, europeu, de olhos claros e cabelos lisos. O resto foi mais fácil... O novo rosto do Cristo Por Nei Lopes A notícia deve ter caído como uma bomba nos arraiais do eurocentrismo. Baseando-se principalmente em dados antropométricos, pesquisa científica conclui, com uma margem de acerto de 70%, que a aparência física de Jesus Cristo não corresponderia à de homem branco, louro e de olhos azuis, tradicionalmente difundida. Ao contrário, e por ter nascido e vivido, há dois mil anos, na região que se conhece, ele seria muito mais provavelmente um homem de rosto largo, pele escura, além de cabelos e barba pouco sedosos. Tal revelação, entretanto, não causa nenhum espanto ou aturdimento naqueles que têm procurado evidenciar outras matrizes na formação da cultura ocidental, relativizando o eurocentrismo dominante. Eurocentrismo que chega, também, às religiões africanas nas Américas, haja vista, por exemplo, a imagem de Iemanjá difundida no Brasil e a de Orumilá, orixá que, por ser dono do saber e da escrita, tem, em Cuba, sua representação física associada à de um homem branco. A figura do Cristo, tal como a conhecemos até a impactante pesquisa, foi idealizada pelos artistas da Renascença italiana. E, quanto ao cristianismo, veja-se que, embora nascido na Ásia, ele se difundiu a partir da Europa, como uma criação civilizatória ocidental. Mas é bom que se lembre que a Bíblia relata acontecimentos passados no Oriente Médio e em partes do continente africano, regiões, também, de povos de pele escura - como a gente da Somália, referida no Antigo Testamento como a terra de origem da mirra, do incenso e também da nuvem de gafanhotos que assolou o Egito no tempo de José; ou como Cam, "pai da raça negra", ou como Taharka ou Tiraca, faraó egípcio de origem etíope; ou ainda como Simão, o Cireneu, que amparou Jesus Cristo; ou como Simeão, o negro, mestre e profeta da Igreja de Antioquia etc. Considerando-se a absoluta inserção do Antigo Egito no continente africano e admitindo-se a descrição de Heródoto, o proto-historiador grego, segundo a qual os egípcios de seu tempo eram negros de cabelos crespos, é de supor-se também, a partir do longo período de escravidão do povo de Israel no Egito, a negro-africanidade de muitos personagens do Velho Testamento. Entre esses se contariam, principalmente, os descendentes do patriarca José com Asenate, filha do sacerdote da cidade de Heliópolis, progênie essa que constituiria uma população masculina de mais de 85 mil pessoas. As referências negro-africanas no Antigo Testamento estão principalmente nos livros dos Reis e Crônicas. No primeiro, conforme a edição da Bíblia em linguagem atualizada (Sociedade Bíblica do Brasil, 1988) lê-se, por exemplo: "Um etíope chamado Zera marchou contra Judá com um exército de 1 milhão de homens e 300 carros de guerra" (Reis, 19:9); "Os soltados da Etiópia e da Líbia formavam um enorme exército com carros de guerra e cavaleiros" (2 Cr, 16:9); "Virão embaixadores do Egito, e os etíopes, com as mãos levantadas, orarão a ti" (Sl, 68:31) etc. E isto sem falar no episódio, por demais conhecido, da visita de Makeda, a legendária rainha de Sabá, ao rei Salomão. Lembremos, finalmente, que o etnocentrismo é aquela visão de mundo na qual o indivíduo escalona e avalia outros indivíduos ou grupos sociais tomando como parâmetro o grupo a que pertence. E que o eurocentrismo é uma forma de etnocentrismo que toma a Europa como referencial. Então, a possibilidade de mentalizarmos, a partir de agora, esse extraordinário mestre que foi Jesus Cristo, com um rosto mais consentâneo com sua realidade geo-histórica, representa, a nosso ver, um grande passo para a Humanidade. Assim, o primeiro mundo tenta impor a sua agenda, já divulgada amplamente, reformista de imposição de comportamentos e modelos de cultura de massa e de concepção do que se supõe ser o modelo de Estado e de governo ideais e obrigatórios, principalmente em sua concepção europeia de democracia, mercado livre e liberalismo, sob a concepção e visão dos princípios do cristianismo judaico-cristão (monogamia, humanidade assexuada, feminismo, direitos humanos, vitimização das minorias, proteção aos direitos dos animais e sustentabilidade). Esta agenda quer deliberar e impor os modelos de comportamentos social e político que começaram com a imposição da agenda do neoliberalismo e da globalização. Esta agenda tenta conceber o que seria o politicamente-correto, onde cabem as neoconcepções de euroecologia, eurosustentabilidade, eurodireitos humanos, eurofeminismo, aborto, relações homoafetivas, anticomunismo, antiislamismo, antinacionalismo, liberação sexual, antiregras sociais, antimoralidade, antireligiosidade, antiautoridade, antihierarquia, antigoverno, antibélicista, antimilitarismo, antimoralista, enfim uma agenda niilista, minimalista e anarquista. Qual seria o objetivo de tudo isto? Seria a dominação do mundo pelo ocidentalismo. O primeiro passo seria desvalorizar o que vem do terceiro mundo, depois desestabilizar a sociedade introduzindo confrontos sociais diversos entre grupos e espalhando a discórdia e a desordem social para desestabilizar as instituições mais tradicionais: família, igreja e os costumes morais. Confrontos de toda ordem entre: Ocidente e Oriente, entre gêneros sexuais, entre o novo e o velho, entre etnias, entre classes sociais, entre desenvolvidos e subdesenvolvidos, entre pobres e ricos, entre classe média e emergente, entre matéria prima e produtos de valor intelectual agregado, entre tecnologia e artesanato, entre obra de arte global europeia e arte local latina, entre a culinária da alta corte dita sofisticada e a culinária popular simples regional subdesenvolvida, entre o vestuário euromorfo de gala e as roupas típicas sem estilo formal ou cerimonial folclórica regional, entre os nuclearizados e os nãonuclearizados, entre o trabalho aviltado e o trabalho bem remunerado, entre os brancos e os mestiços, entre os escolarizados em entidades medalhadas e os diplomas sem griffe, entre os mecanizados e os robotizados, entre os alimentados e os famintos, entre o fast food e o assado de panela, entre anglófobos e os anglófilos, entre os que já foram à Disney e os que nunca foram lá, entre os egressos dos MIT & Harvard e os oriundos de USP Unicamp, entre os de Nike & Adidas e os de Havaianas. Desmonte das forças armadas, isolamento do acesso as tecnologias das armas estratégicas como mísseis, submarinos atômicos, bombas nucleares, aviões hipersônicos e furtivos. Desvalorizar suas culturas, seus produtos, suas riquezas, suas commodities, sua criação cultural, seus valores e seus predicados. Com a ajuda de intelectuais, cientistas nobéis, celebridades do primeiro mundo espalham ideias e ideais pseudocientíficos, e pseudo filantrópicos como concepções absurdas sobre a ameaça de catástrofes ecológicas e desastres sistêmicos caso as suas propostas e produtos intelectuais não sejam devidamente acatados e absorvidos. Então partiram para a condenação dos produtos vitais para as economias dos países do terceiro mundo e covardemente baseados em sua metaciência de primeiro mundo conseguiram destruir parques inteiros de indústrias e setores econômicos de países inteiros do terceiro mundo, quando, por exemplo, destruíram a principal riqueza de Cuba, que já foi produtor de cerca de um terço do açúcar do mundo, bastou para isso que os cientistas devidamente subornados e subordinados difundissem através de revistas respeitáveis de ciência artigos sobre os perigos e males do produto principal de Cuba. Imagine só: primeiro tentaram monopolizar o produto, quando a Holanda (Países Baixos) era o maior comerciante de açúcar do mundo há duzentos anos! Detinha o segredo do branqueamento do produto! Depois veio o monopólio das colônias produtoras de cana de açúcar que eram proibidas de produzirem, refinarem e comercializarem o açúcar. Por fim, perdendo toda a cadeia de produção do açúcar decidiram com a ajuda de cientistas brilhantes e prêmios Nobel de química diabolizar e condenar o açúcar como alimento com o respaldo da metaciência europeia. Este é o modelo padrão de ataque aos países do terceiro mundo. E tem as ONGs. Agora tentam diabolizar as hidrelétricas na Amazônia. Diabolizaram o etanol combustível, diabolizam o petróleo, que vem quase todo do terceiro mundo, atacando com a imposição dos modelos de carros elétricos pelo mundo civilizado, atacam a extração de minérios do primeiro mundo, atacam com organização da luta nos campos, para paralisarem as agroindústrias que são as bases do PIB do Brasil e de outras nações que não conseguiram reproduzir as indústrias sofisticadas de metalmecânica e eletroeletrônica do primeiro mundo, que também monopolizam o setores de informática e robótica. Tem os europeus o seu braço terrorista nos anarcomilitantes pseudoecologistas e pseudodefensores dos direitos subjetivos de tribos indígenas, de sem tetos, dos sem terras e dos anarcourbanos. Diabolizaram o uso do sal, da exposição ao sol, da ingestão das carnes vermelhas, da soja, das frituras, do churrasco, enfim, tudo que diz respeito ao estilo de vida terceiromundista, de todos os produtos e riquezas que possam dar vantagens comparativas e monopolistas aos produtos e serviços que o terceiro mundo e que possam oferecer no mercado mundial capazes de contender com a hegemonia do primeiro mundo. Impuseram a estética corporal europeia: agora já podemos ter japonesas, chinesas e coreanas loiras; podemos ter também africanas, índias, mestiças e afrolatinas loiras e de madeixas alisadas pela chapinha e pelas escovas progressivas, e, de olhos claros, verdes e azuis. Governos de esquerda socialistas legítimos somente são permitidos os da Eurolândia: Suécia, Dinamarca, Noruega, Islândia, Finlândia; na América do Sul socialismo é golpe de Estado como em Chile, Bolívia, Venezuela. Como os euroecologistas destruíram as suas próprias reservas florestais naturais de seus países, incutiram a ideia benevolente de somente adquirirem madeira certificada do terceiro mundo, que é um eufemismo para “vocês não podem explorar as madeiras de lei de suas reservas de riqueza naturais, como nós o fizemos criminosamente em nosso passado glorioso”. E ainda tem a reedição das diretrizes humanitárias para estigmatizar e problematizar a produção agrícola naquela que ainda é a maior senão a principal riqueza de muitos países do terceiro mundo que é a certificação de não existência de trabalho escravo. Logo eles que colonizaram e escravizaram um continente inteiro: a África! As bugigangas do primeiro mundo são artificialmente valorizadas apenas porque são feitas lá, assim são as griffe dos produtos e serviços euromanufaturados dos relógios, queijos, vinhos, azeite, destilados, culinária sem nenhum valor nutritivo, todos os tipos de supérfluos despejados com as griffes de Porsche, Mercedes, Yves Saint, Cartier, Rolex, Gucci, Ferrari, Audi, Chivas, Ray Ban, e não se criam pressões euroecológicas contra os desperdícios e ambientalmente desnecessários e ofensivos fármacos, tratamentos estéticos, automóveis e motocicletas, excesso de escolaridade, luxo e exuberância de hotéis, restaurantes e bares sofisticados, exportação de estilos de vida completamente supérfluos, padronização cultural e exportação de superficialidades como os Big Brothers, obsolescência planejada de design e tecnologias, modas sazonais, destruição sistemática de hábitos, criação de demandas artificiais de democracia, liberdades, sexualidade, status social, individualismo, luxúria e devassidão. Nunca havido antes da Segunda Grande Guerra – 2ª. GG Mundial, o mundo desconheceu, ou melhor, todas as civilizações e culturas humanas que aqui passaram desconheceram a fase da adolescência até os anos cinquenta. Sua origem pode estar relacionada à criação das Nações Unidas, objetivamente preocupada com os rumos da humanidade neste novo concerto universal, liderada pelos europaíses desenvolvidos ocidentais, vencedores da tal conflagração da 2ª GG Mundial. A motivação subjetiva para a criação da denominação e delimitação desta fase chamada “adolescência” pode estar associada à nova visão dos países ricos sobre os países pobres de uma nova concepção de divisão internacional do trabalho social onde os marcos humanitários, éticos e econômicos que balizariam a competição de mercado de trabalho no sistema capitalista visariam “proteger” os países industrializados da competição selvagem e desleal de mão-de-obra infantil, barata, aviltada pelos países do chamado terceiro-mundo, notadamente Índia, China, Paquistão, Indonésia e outros pólos mundiais de pobreza e da mão-de-obra barata, precoce (crianças, adolescentes e jovens) e abundante. Assim, evitar-se-ia a exploração “vantajosa” economicamente da mão-de-obra infantil, tradicional das eras passadas anteriores aos direitos trabalhistas no terceiro mundo pobre, contra a competição da mão-de-obra especializada, escolarizada, envelhecida e cara dos chamados países do primeiro-mundo rico. O fato é que fora acordada nas Declarações Universais dos Direitos Humanos imposta pelos europaíses dominantes, ricos e vencedores, as grandes europotências capitalistas, a proteção ao chamado trabalho infantil, agora estigmatizado e marginalizado pelos novos donos do Direito Internacional na civilização de pós-guerra. A partir deste marco histórico econômico-etário e dissociando-se a humanidade de suas origens perdidas na História, quando nas eras milenares passadas, até sessenta anos atrás, o ser humano passava da fase de vida infantil diretamente para a fase de vida adulta, procriando-se e trabalhando duro pela sobrevivência como o fazem ainda os silvícolas, a partir dos doze a treze anos de idade, até a chegarem à fase de velhice, que era por volta dos quarenta anos de idade. Então se introduziu um novo hiato entre a passagem da fase infantil para a fase adulta criando-se dois pontos de passagem úteis ao mundo eurocivilizado e desenvolvido, porém, inúteis e vazios para o restante dos mundos. Estavam criadas a adolescência, e a chama da juventude. No mundo eurodesenvolvido era necessário que os trabalhadores concluíssem as fases de estudos superiores e pós-superiores o que requereria mais dez anos suplementares de pós-estudos sobre os anos de estudos básicos e superiores, o que empurrava o início da fase adulta produtiva economicamente e intelectualmente (sexualmente) para os vinte quatro anos de idade ou aos vinte oito anos de idade, assim, estes anos a mais, improdutivos economicamente e ociosos, eram financiados pela sociedade rica, afluente e abastada, o que seria inviável economicamente para o restante do mundo não desenvolvido, exceto para as famílias ricas dos segundo e do terceiro mundos. A estas fases alongadas de preparação para a vida adulta se designaram os nomes de adolescência e juventude respectivamente. Ficavam assim os ônus da ociosidade não produtiva da adolescência e da juventude projetados e lançados sobre o orçamento da família e sobre o restante da sociedade, embora não reste dúvida de que o cidadão melhor preparado intelectualmente representasse a manutenção e a ampliação das vantagens competitivas dos países do primeiro mundo ampliando-a cada vez mais sobre o restante da humanidade subdesenvolvida. Ficaram atendidos eficazmente e bem protegidos da competição da mão-de-obra os países mais ricos daqueles países dos segundo, terceiro e quarto mundos, isolados da competição capitalista. Esta parece ser a explicação mais convincente para a criação ou do surgimento desta fase na vida das pessoas. A adolescência. A teoria dos três globos. Dizem através da euroWWF que se todos os habitantes da Terra tivessem o mesmo padrão de consumo deles precisaríamos de três terras para abastecermo-nos de matérias primas. Mais uma ameaça ao terceiro mundo disfarçada de alerta. É a violação psíquica contra os latinos e africanos para nunca tentarem ser como eles na qualidade de vida. Não bastasse que se tivessem equivocados pela falsa lei do aumento aritmético da produção de alimentos versus aumento da produção geométrica de habitantes ter falhado, agora procuram outras ameaças como o aquecimento global, e outras sandices como a sustentabilidade, como se fosse possível congelar o planeta Terra dentro de uma redoma de geladeira ou estufa em estado eterno de equilíbrio ecológico permanente. Os euroecologistas decretaram uma moratória unilateral para a natureza da Terra. Explico. Desde que aqui surgiu o homo sapiens, a cerca de 2,5 milhões de anos, a sua existência e a dos mamíferos terrestres somente foi possível com o desaparecimento dos dinossauros, resultante de um enorme e global cataclismo que os destruiu, causado pelo impacto de um gigantesco meteorito. Mas, a natureza, em sua sabedoria, vem modelando o universo através do que se chamou de destruição criativa (Schumpeter). Grandes catástrofes naturais nos deram o homo sapiens, o Pão de Açúcar, o Everest, o petróleo pela submersão e inversão violenta da crosta terrestre, destruindo e soterrando florestas e animais. Querem agora, os euroecologistas, congelarem o paraíso, como se pudessem evitar que o mundo desaparecesse como o conhecemos hoje. Mas não é só: já decidiram quais criaturas devem sobreviver à destruição pelo homem, escolheram algumas espécies por sua beleza e por outros critérios incompreensíveis, como: os mico-leões-dourados, as tartarugas marinhas, o peixe-boi, mas excluíram as baratas, os ratos, os insetos peçonhentos, as moscas, os mosquitos (o da dengue). Afinal, que critério é esse pelo qual os eurohumanos já exterminaram pelo menos uma espécie, a varíola? Eu gostaria que tivessem escolhido as serpentes e o tubarão-branco. A Natureza é amoral, aética, não tem autoconsciência, não tem memória, não sente dor, não tem finalidade, não tem princípios, não é finalística, não é conservacionista, enfim o conceito de equilíbrio ecológico não passa de uma humanização da natureza através da perspectiva de observação da eurocivilização sobre ela, a Natureza. Na natureza não existe o bom nem o ruim, nem bem nem mal. Se você estiver diante de uma serpente, de um leão, de um crocodilo ou de um tubarão, eles farão o que sempre costumam fazer sem remorso ou moralidade; querer atribuir vícios ou virtudes à Natureza não passa de um julgamento subjetivo eurohumano. Nesse sentido, um primeiro exemplo diz respeito às formigas escravagistas. É de conhecimento amplo a existência desse tipo de formiga que pode ser encontrado na Ásia, Europa, América do Norte e África. Esse tipo específico de formiga invade uma colônia rival e rapta ou rouba as larvas existentes nessa colônia. As larvas são alimentadas na colônia escravagista e quando se tornam adultas atuam como escravas para essa colônia. Outro exemplo, também conhecido, são as orcas ou baleias assassinas que brincam de maneira “cruel” com suas vítimas (em geral, focas) antes devorá-las. Esse exemplo é altamente difundido em documentários sobre animais. Inclusive, o gato que vive em minha casa também possui o hábito de “brincar” com a sua comida ainda viva. Um terceiro exemplo está relacionado ao fato de que leões machos matam filhotes da mesma espécie, mas de outro macho, com o intuito de garantir domínio. Há também pássaros que substituem ovos de um ninho por seus ovos. Fazem isso para que seus ovos sejam chocados e alimentados por outros pássaros. Enfim, os exemplos são muitos e gostaria de ter sido mais detalhado, mas não consegui informações sobre todos os exemplos e o espaço é curto. O que é claro de se observar nesses exemplos, independente de regras evolutivas, que em todos os casos encontram-se situações no mínimo questionáveis e que, em minha opinião, podem ser consideradas como algo irracional. O universo é um enorme caos, onde a vida é apenas um pequeno e insignificante detalhe; um luxo do planeta Terra, por hora. Nenhuma espécie vegetal ou animal é mais importante ou mais imponente que o deserto do Saara, com o seu mar de sem-vida, é tão importante quanto ecosistemas densos como a Amazônia. A beleza das florestas é apenas uma europerspectiva de observação subjetiva. Afinal, o deserto tem muito menos utilidade para a sobrevivência humana do que a floresta, daí julgarmos tudo pela utilidade do ponto de vista eurohumano. Para que o equilíbrio ecológico se perpetue o ser humano terá que dar uma enorme ajuda à natureza, visto que o nosso planeta está datado para desaparecer: pela implosão da nossa estrela, o Sol, ou, quer pela sua explosão; por uma tempestade cósmica de raios gama, raios beta, radiação alfa, despejados por algum quasar ou por buracos-negros, que numa fração de segundo varrerão todos os resquícios de vida e sistemas vivos da Terra. A própria Terra em seu ciclo de glaciações periódicas irá fazer a sua faxina da vida aqui, novamente, ou, o movimento final das placas tectônicas mudando a arquitetura das montanhas, vales, florestas, mares e oceanos, então, para que o paraíso sobreviva, temos que desde já mandarmos missões pelos quadrantes do universo de amostras de vida para buscarem outros endereços levando o DNA humano e das espécies que aqui se encontram, esta sim, é a única alternativa para a manutenção do equilíbrio ecológico, pois a Natureza não está programada para fazê-lo ou mantê-lo sem a interveniência humana. O equilíbrio ecológico é pura intenção e invenção unicamente dos eurohumanos. Nunca existiu tal equilíbrio ecológico na natureza. PS.: Um estudo publicado na revista New Scientist por pesquisadores de cientistas da Universidade do Kansas sugeriu em 2003 que um bombardeio de raios gama estelares teria sido o responsável pela extinção de grande parte da vida terrestre há 440 milhões de anos. Contudo, até então, poucas provas existiam sobre este fato. Mas agora pesquisadores do Instituto Mark Planck de Física Nuclear, da Alemanha, estão confirmando o que foi dito pelos americanos. Segundo eles, o bombardeio realmente ocorreu na época em que os americanos afirmaram em função de uma grande explosão de muitas estrelas em um determinado espaço - talvez pela fusão ou impacto entre várias delas. À medida que vão se esgotando os álibis dos euroecoinocentes vai aumentando o grau de agressividade de suas manifestações anti-humanas contra o terceiro mundo. Dentro de mais 80 anos o petróleo se extinguirá das grandes jazidas economicamente explotáveis. O outro fato natural diz que as plantas precisam de Dióxido de carbono CO2 para realizar a fotossíntese. Isso quer dizer que sem a produção de CO2 não existiria a vida na Terra. Assim as fontes de energia serão cada vez mais escassas na Terra. Os euroecologistas não precisam se preocupar com as fontes sujas de energia baseadas em hidrocarbonetos no futuro. A natureza não inventou o moto-contínuo, ou seja, não pode produzir para si mesma o carbono que consome, seria o moto-perpétuo. A máquina perfeita termodinamicamente. Isto é impossível. As florestas tropicais somente existem por causa das águas das chuvas. Estas águas são trazidas da evaporação dos mares, porque, novamente, a selva não poderia produzira a sua própria água de que ela precisa: seria o moto-contínuo, e isto contraria a 1ª lei da termodinâmica. As florestas são o resultado de um longo processo evolutivo que começou com os líquens e após 500 milhões de anos cobriram-se de frondosas árvores, que vão ser sucedidas sabe-se lá por que, porque as florestas como tudo na natureza é mutável, nada é perpétuo; por que os solos se esgotam naturalmente e não podem ser repostos pela matéria orgânica produzida por ele mesma, seria mais uma versão reprisada do pseudomoto-contínuo. A energia que move a Terra vem do Sol, este também está esgotando o seu combustível, lentamente. A matéria que nutre as florestas é limitada e está chegando ao fim de seu ciclo de esgotamento, por que ela não pode ser naturalmente reposta indefinidamente, independentemente da ação ou da exploração humana. Se a Europa fosse produtora de alimentos estes seriam os mais caros do mundo. Por que a Eurozona é uma griffe. Tudo o que é produzido na Eurozona possui o privilégio da griffe Eurozona. Desde o chocolate, que não é plantado na Eurozona, às roupas, o café, vinhos, queijos, enfim, a Eurozona é um Midas em que tudo que toca vira ouro. Que bom seria se os produtos africanos gozassem da mesma sorte! Por quê? Griffe é um galicismo que é o nome da etiqueta costurada na parte interna da peça de vestimenta com o nome do fabricante ou do produtor. Durante a Idade média para ser um produtor e consequentemente um manufatureiro de objetos era necessário passar do estágio de aprendiz para o estágio de profissional associado a uma guilda para obter a permissão do exercício profissional. Com esta autorização obtinha-se a reserva de mercado para produzir dentro de padrões previamente estabelecidos e fiscalizado pelos mestres das corporações de ofícios. As corporações de ofício foram associações que surgiram na Idade Média, a partir do século XII, para regulamentar o processo produtivo artesanal nas cidades que contavam com mais de 10 mil habitantes. Essas unidades de produção artesanal eram marcadas pela hierarquia (mestres, oficiais e aprendizes) e pelo controle da técnica de produção das mercadorias pelo produtor. Em português, são chamadas de mesteirais. Entende-se por Corporação de Ofício as guildas de operários qualificados numa determinada função, que uniam-se em corporações, a fim de se defenderem e de negociarem de forma mais eficiente. Dentre as mais destacadas, estão as Corporações dos Construtores e dos Artesãos. Uma pessoa só podia trabalhar em um determinado ofício - pedreiro, carpinteiro, padeiro ou comerciante - se fosse membro de uma corporação. Caso esse costume fosse desobedecido, corria o risco de ser expulso da cidade. Cada corporação agrupava um determinado ramo de trabalho; por isso era chamada de corporação de ofício. Em cada uma das cidades medievais existiam várias corporações de artesãos: dos tecelões, dos tintureiros, dos ferreiros, dos carpinteiros, dos ouvires, entalhadores de pedras, entre outros. As pessoas geralmente ficavam 10 anos em cada oficio, e seu mestre do oficio era obrigado a dar-lhe alimentos e moradia. Essas corporações estabeleceram regras para o ingresso na profissão e tinham controle de quantidade, da qualidade e dos preços dos produtos produzidos,chamado de preço justo. Um artesão nunca poderia estipular um preço maior ou usar material de qualidade inferior ao de seu colega. Isso evitava a concorrência dos membros de mesmo ofício. A corporação também protegia seus associados proibindo a entrada de produtos similares aos produzidos na cidade em que se atuava. Eles também amparavam seus trabalhadores em caso de velhice, qualquer tipo de doença ou invalidez. Uma instituição típica da sociedade medieval foi a corporação de ofício. Eram associações que organizavam a produção e a distribuição de determinados produtos, reunindo profissionais do mesmo ramo, como por exemplo os sapateiros, ferreiros, alfaiates. As corporações atuaram como incentivo para o aumento da produção. Os comerciantes manufatureiros foram obtendo cada vez mais lucros o que gerou um crescente acúmulo de capitais, nas mãos de uma nova classe, que passou a ser denominada de burguesia. A grande finalidade das corporações era evitar a concorrência entre os artesãos, tanto locais como de outras cidades, e adequar a produção ao consumo local. As corporações fixavam o preço do produto, controlavam a qualidade das mercadorias, a quantidade de matérias primas e fixavam os salários dos trabalhadores. As origens das corporações de ofício são controvertidas, mas as razões para o agrupamento são claras: • Religiosas: havia desde o século X as confrarias, que são associações profissionais de pessoas para o culto do santo patrono e para a caridade recíproca entre seus membros. • Econômicas: procuravam garantir o monopólio de determinada atividade. • Político-sociais: com a plebe de artesãos tentando se organizar diante do patriciado mercador que detinha o poder na cidade. Cada corporação agregava pessoas que exerciam o mesmo ofício. Eram elas as responsáveis por determinar preços, qualidade, quantidades da produção, margem de lucro, o aprendizado e a hierarquia de trabalho. As corporações de ofício delimitavam suas áreas de atuação de forma restrita, de modo que não existia sobreposição de competências, por exemplo, uma alfaiataria não poderia consertar roupas, assim como uma oficina de conserto não tinha permissão de confeccionar peças novas. Artigos de primeira necessidade (pão, vinho, cerveja e cereais) tinham preços sujeitos a regulamentação. Para outros produtos, como ferro e carvão, vigorava a liberdade de preços. A remuneração dos trabalhadores também era regulamentada, a exemplo das leis opressoras em Londres, ao final do feudalismo à época dos Cercamentos Ingleses. Transplantadas da Europa, as corporações tomaram formas próprias no Brasil, em virtude da predominância do trabalho escravo, da indústria caseira, da escassez de artífices livres e da própria estrutura comercial local. Porém preservaram algumas funções de seu papel inicial elaboradas no "Velho Continente". As corporações de ofício basicamente eram compostas de três classes: os mestres, os oficiais (também chamados de companheiros ou jornaleiros) e os aprendizes. Os mestres eram os donos da oficina, que acolhiam os oficiais, e eram, também, responsáveis pelo adestramento dos aprendizes. Aqueles que desejavam entrar na corporação deveriam ser aceitos como aprendizes pelo mestre, o qual detinha o conhecimento, as ferramentas e fornecia a matéria-prima. Os aprendizes não recebiam salários, geralmente eram parentes e moravam com o mestre. Não raras vezes acabavam se casando com a filha deste. A extensão do aprendizado variava de acordo com o ramo, podendo durar um ano, ou prolongar-se de dez a doze anos. O período de costume do aprendizado, porém, variava entre dois e sete anos. Após o término do aprendizado, o aprendiz tornava-se jornaleiro ou oficial e depois mestre. Entretanto, à medida que se avançava para o fim da Idade Média, tornava-se mais difícil ao jornaleiro atingir a condição de mestre. Isso acontecia principalmente em virtude do domínio que os membros mais ricos passaram a ter sobre as corporações, reduzidas quase que exclusivamente aos seus familiares. A prova pela qual o oficial era submetido para tornar-se mestre ficou mais rigorosa e, por fim, a taxa em dinheiro que era paga ao chegar-se à posição de mestre foi elevada. Percebe-se que esse rigor não era para todos, pois, os filhos dos mestres, se comparados com o povo em geral, continuaram sendo privilegiados a tal ponto que, em algumas cidades, apenas os filhos de um mestre poderiam aspirar a ocupar tal condição. Daí para os registros de patentes, a concessão de licensas, permissões e concessões pelos Estado e seus órgãos reguladores das atividades econômicas foi o passo seguinte da sobrevivência dos resquícios desta prática aos dias de hoje. Para se colocar um táxi nas ruas de Nova Yorque precisa-se pagar uma taxa de cerca de US$ 700 mil. Um cartório de registro de títulos e protestos pode custar alguns milhões em uma cidade grande, um médico precisa passar pela esidência, um advogado precisa passar na prova da OAB, um engenheiro precisa de registro do CREA para trabalhar. Das Guildas para as Hansas O comércio dentro de um burgo (cidade Medieval): quem produzia era o artesão dentro da oficina e essa realidade só vai mudar com a Revolução Industrial, o artesão vai virar operário ou proletário e as oficinas vão ser engolidas pelas fábricas. Dentro dessas oficinas tem-se alguém que fica a frente, o mestre, aquele que tem o domínio do que produz, ele é o dono da oficina, dono dos instrumentos de trabalho, e participa de todas as etapas da produção. O Capitalismo irá acabar com isso, cada grupo terá a sua etapa de produção. Junto com o mestre trabalham os aprendizes (jovens) que vão para a oficina aprender o oficio, eles são moradores do burgo, Quando o mestre está muito atarefado entra a figura dos jornaleiros, pessoas que trabalham por jornadas, 10, 15 etc. dias. A oficina é colada à própria casa do mestre. Dentro de um burgo há várias oficinas que produzem o mesmo produto, os mestres se reúnem para comparações do oficio ou GILDAS, eles se reúnem para verificar se os outros mestres estão e como estão produzindo, todos passam por uma avaliação dos mestres mais antigos se eles sabem trabalhar naquele oficio. Todas as corporações do oficio tem seu santo protetor. ENTÃO GILDAS NADA MAIS SÂO DO QUE A COMPARAÇÃO DE UM OFÍCIO (PRODUTO), OU SEJA, É A VERIFICAÇÃO SE UM PRODUTO ESTÁ DENTRO DOS PADRÕES DE PRODUÇÃO DAS OFICINAS. E SE ALGUMAS OFICINAS FAZEM CESTAS, TODOS TEM QUE FAZER IGUALMENTE. Vai acontecer no Ocidente europeu o surgimento de algo muito interessante, as feiras que eram nos moldes das nossas feiras livres de hoje. A maior e a mais famosa feira foi a de Champagne, na França. Nela mais do que nunca a figura do banqueiro era imprescindível, pois tinha moedas de todos os lugares, em outras feiras existia a troca in natura, na feira de Champagne vinham pessoas de muitos lugares, Espanha, Rússia, Alemanha, etc. daí a importância do banqueiro, pois todos queriam obter mais vantagens do que o outro. Por conta dessa contínua tentativa de cada um lucrar mais do que o outro, foram criados as chamadas HANSAS ou LIGAS, que são associações de cidades que procuram proteger seus integrantes na associação, e a mais forte é Hansa Teutônica, era a mais séria de todas, Teutão nome dado as cidades e regiões banhados pelo Mar Báltico, Ex-União Soviética, Polônia, Alemanha, atuais. Atualmente as Guildas e Hansas são invisíveis. Elas garantem um selo de qualidade para os produtos da Eurozona de modo a resguardar o padrão de valores intangíveis aos seus produtos que assim ficam incorporados ao valor agregado, seja um produto industrial, artístico, alimentício, artesanal, cultural, intelectual, comercial ou criação intelectual de todo gênero da área protegida da Eurozona. Esta proteção garante privilégios quase irrestritos e quase irrevogáveis, chegando a ser aberrações quando se tenta de modo racional justificar a diferença de preços cobrados por produtos similares fora da Eurozona que possuem em muitos casos qualidades intrínsecas superiores flagrantemente aos produtos da Eurozona, como por exemplo, atingiram os padrões de qualidade dos produtos fora da Eurozona como os celulares coreanos, os esportivos japoneses, os automóveis norteamericanos, assim vemos sobreviverem produtos completamente deslocados em valor como os automóveis Ferrari, os vinhos franceses, os queijos e chocolates suíços, as roupas italianas, os sapatos alemães. Não se nega que exista em um ou outro destes produtos mencionados um padrão de qualidade intrínseca superior, mas nada que possa justificar a diferença exponencial de preços, a não ser o efeito griffe. Segundo Mauss, o ser humano é essencialmente um animal simbólico Os sinais de status social e riqueza estão codificados na sociedade pelo tipo de consumo e pelos sinais externos de afluência econômica. Decodificar alguns destes símbolos requer treinamento social somente acessível aos membros da classe, sendo vedados aos não membros o reconhecimento de alguns dos signos secretos de ostentação que servem como senha para a identificação dos membros das clãs sociais. Outros signos têm o sinal de afastamento e de intimidação do poder econômico como sinais de fronteira e de reconhecimento geral do status social e econômico, com abre-alas e como sinal de acesso irrestrito a todos os círculos sociais. Para adquirir estes valores somente a tradição e o reconhecimento intergeracional podem proporcionar estes valores sociais intangíveis e intraduzíveis pelas leis de mercado, os quais fogem às leis da oferta e demanda e que são mantidos em níveis de consumo mínimos e exclusivos onde nem o dinheiro alcança sozinho o acesso a estes bens, necessitando-se para gozar do acesso e do desfrute possuir as credenciais preestabelecidas pela classe social que garante e que ratifica o status de acesso e de usufruto. Este estatuto das classes sociais afluentes tem mais a ver com o sistema de castas da Índia do que com o conceito de classes sociais ocidentais. Methuen e a Teoria da Dependência As opções que são feitas por uma nação através de seus dirigentes tem um tanto de visão de estadista, outro tanto de vocação cultural e predisposição (talvez, predestinação) do povo. Este Tratado é um exemplo típico onde o governante pensou estar fazendo a melhor escolha para e com o seu povo, que sem exigir sacrifícios do povo português o levou à sua inversão na importância histórica, enquanto outro povo, o inglês, liderado por estadistas de verdade se preocupou menos com o presente e mais com o futuro e através de sacrifícios extremos no passado conduziram a nação por um caminho sem volta para o sucesso por mais de oito séculos no futuro. Esta é a explicação de como quatro países inverteram os seus papéis e as suas trajetórias históricas em pouco mais de oito séculos; quase um milênio de histórias. São quatro nações européias: Portugal, Espanha, Inglaterra, e França. Se quiserem adotar a terminologia Weberiana em sua explicação sobre o sucesso do capitalismo, e o espírito protestante do capitalismo seria: duas nações católicas e duas nações protestantes, respectivamente, Portugal e Espanha, e, Inglaterra e França. Portugal e Espanha optaram pela atividade econômica tradicional, baseada na agricultura e na baixa dependência da Tecnologia (ciência Matemática, por sinestesia). Inglaterra e França apostaram nas atividades econômicas apoiadas na mais alta tecnologia (apoiada em inversões de capital financeiro em conhecimento da Matemática - capital intelectual e humano): as máquinas. Mas, nem sempre fazer o que o povo quer e deseja democraticamente significa fazer o governo de estadistas nem significa fazer o melhor para o próprio povo. A prática da ciência da Matemática é uma atividade penosa. Costumo pensar que nos países nórdicos, e naqueles também onde o frio é relativamente rigoroso, as pessoas são obrigadas a planejarem as suas atividades de modo a permanecerem mais tempo possível em casa, recolhidos, então este sistema climático pelo menos durante três meses ao ano permite e quase obriga as pessoas a se voltarem às atividades mais circunspectas e reflexivas, daí terem o ambiente adequado para desenvolverem-se os estudos das ciências mais complexas, por total falta de alternativas para exercitar o cérebro e estimulá-lo a permantecer aquecido e ativo no inverno rigoroso. Pode ser uma bela desculpa, afinal Portugal e Espanha não sofrem com o mesmo rigor do inverno de França e Inglaterra, além do que, são países católicos, ou seja, segundo Weber falta-lhes o espírito de poupança e disciplina moral peculiar à doutrina protestante. Espanha e Portugal não produziram matemáticos como os franceses Ampère(1814), D’ Alembert(1752), Berger(1960), Borel(1921), Brianchon(1821), Briot(1842), De Broglie(1927), Cauchy(1821), Clairaut(1736), Comte(1824), Condorcet(1765), Decartes(1637), Delambre(1790), Fermat(1629), Fourier(1808), Galois(1830), Germain(1808), Jordan(1870), Lafforgue(2000), Lagrange(1768), Laplace(1780), Lebesgue(1904), Legendre(1770), M. Lévy(1870), P. Lévy(1950), Méchain(1790), Mersenne(1615), Moivre(1690), Monge(1779), D’Oresme(1343), Pascal(1634), Poncelet(1822), Poisson(1800), Sarrus(1831), Vandermonde(1771), Vernier(1605), Viète(1571), ou, como os ingleses Alcuino(755), Babbage(1814), Briggs(1588), Boole(1838), Cayley(1930), Dirac(1926), Fisher(1915), Halley(1705), Kelvin(1831), Lovelace(1842), Maclaurin(1719), Maxwell(1864), Morgan(1828), Napier(1570), Newton(1687), Recorde(1557), Sylvester(1841), Taylor(1732), Venn(1866), Wallis(1656), Watt(1754), Wiles(1994). O Tratado de Methuen, também referido como Tratado dos Panos e Vinhos, foi um tratado assinado entre a Grã-Bretanha e Portugal, em 27 de Dezembro de 1703. Foram seus negociadores o embaixador extraordinário britânico John Methuen, por parte da Rainha Ana da Grã-Bretanha, e D. Manuel Teles da Silva, marquês de Alegrete. Pelos seus termos, os portugueses se comprometiam a consumir os têxteis britânicos e, em contrapartida, os britânicos, os vinhos de Portugal. Com três artigos, é o texto mais reduzido da história diplomática europeia[1]: "I. Sua Majestade ElRey de Portugal promete tanto em Seu proprio Nome, como no de Seus Sucessores, de admitir para sempre daqui em diante no Reyno de Portugal os Panos de lãa, e mais fábricas de lanificio de Inglaterra, como era costume até o tempo que forão proibidos pelas Leys, não obstante qualquer condição em contrário. II. He estipulado que Sua Sagrada e Real Magestade Britanica, em seu proprio Nome e no de Seus Sucessores será obrigada para sempre daqui em diante, de admitir na Grã Bretanha os Vinhos do produto de Portugal, de sorte que em tempo algum (haja Paz ou Guerra entre os Reynos de Inglaterra e de França), não se poderá exigir de Direitos de Alfândega nestes Vinhos, ou debaixo de qualquer outro título, directa ou indirectamente, ou sejam transportados para Inglaterra em Pipas, Toneis ou qualquer outra vasilha que seja mais o que se costuma pedir para igual quantidade, ou de medida de Vinho de França, diminuindo ou abatendo uma terça parte do Direito do costume. Porem, se em qualquer tempo esta dedução, ou abatimento de direitos, que será feito, como acima he declarado, for por algum modo infringido e prejudicado, Sua Sagrada Magestade Portugueza poderá, justa e legitimamente, proibir os Panos de lã e todas as demais fabricas de lanificios de Inglaterra. INTRODUÇÃO O Tratado de Methuen, acordo comercial estabelecido entre Portugal e Inglaterra em 1703 é de importância fundamental para o entendimento de outros acontecimentos históricos ocorridos às duas nações, bem como ao Brasil, que teve participação importante nesse tratado. Considerando-o alguns como prejudicial ao desenvolvimento da nação (perpetuando inclusive influências negativas até hoje) e outros que, se não o achando benéfico, pelo menos não enxergam no mesmo as possíveis implicações na decadência lusitana no século XVIII. No primeiro caso, opinam os autores que, além do domínio comercial que fornece aos ingleses sobre os portugueses, como diz Sandro Sideri, "o Tratado de Methuen provocou a destruição do único setor que poderia ser a testa-de-ponte do processo de industrialização português [as manufaturas têxteis] e que, se existisse, poderia evitar o ‘desfasamento tecnológico’ que ainda hoje caracteriza Portugal". Na perspectiva oposta, uma análise "das condições econômicas, tanto nacionais como inglesas, no século XVIII leva-nos a ter de alterar o ponto de vista de sua influência [do tratado] decisiva tanto na decadência da indústria portuguesa como no desenvolvimento da exportação inglesa para Portugal", tese essa defendida principalmente por José Borges de Macedo. O que faremos aqui, portanto, é mostrar os variados pontos de vista a respeito de Methuen, dando espaço a outras vozes que não somente as afirmantes de que ele foi nocivo a Portugal. Começa aqui, então, o que se propõe ser uma contribuição aos estudos da historiografia portuguesa. OS ANTECEDENTES DO TRATADO A caravela é um dos maiores símbolos da expansão ultramarina portuguesa Não foi Methuen o tratado que iniciou as relações comerciais entre Portugal e Inglaterra: elas começam em 1373, sendo firmado em tal data um tratado de aliança militar contra Castela, que ameaçava a independência do reino português. No entanto, a gritante supremacia inglesa observada no tratado de 1703 não ocorria aqui e nem nos séculos seguintes: pelo contrário, até o final do século XVI a nação lusitana, junto à Espanha, desempenhou um papel de destaque na economia européia, sendo inclusive o maior centro de poder. Tratava-se de um dos primeiros Estados Nacionais a serem formados, com o comando político centralizado em um rei; em virtude de sua centralização precoce (século XI), experimentara um desenvolvimento tecnológico e marítimo mais avançado que o resto da Europa, inclusive iniciando, no século XV, as Grandes Navegações pelos oceanos. Em vermelho, os domínios do Império Português no Século XVI Possuía diversos domínios coloniais, dos quais obtinha riquezas agrícolas, mantinha importante tráfico de escravos para suas colônias e controlava o valioso e lucrativo comércio de especiarias nas Índias. Portugal era, de longe, a maior força européia, tanto política quanto economicamente. As outras nações da Europa, principalmente Inglaterra e França, não tinham condições para enfrentar tal soberania: eram países que, durante a expansão lusa, iniciavam sua recuperação da Guerra dos Cem Anos (1337-1453), e assim não poderiam combater com afinco o crescimento econômico ibérico. Tal diferença de poder influenciava, obviamente, as relações entre essas nações. Os autores são unânimes em dizer que os portugueses dominavam os acordos econômicos feitos com os ingleses nessa época. O prestígio e poderio do Império Lusitano determinavam tal predominância. No entanto, a nação portuguesa não pensava em seu futuro, nas possibilidades de concorrência que poderiam enfrentar em seu domínio. Toda a riqueza que obtinham não se traduzia em crescimento: pelo contrário, era consumida na manutenção de uma Corte suntuosa e importação de artigos de luxo e de manufaturados, não se incentivando a modernização da agricultura ou o desenvolvimento de manufaturas, que se limitavam, para Sideri, à pequena produção das oficinas, "indústrias de pequena dimensão(...) abrangendo a própria família, enfim, algo parecido com o sistema doméstico", e, principalmente, não investiram na educação, conhecimento científico, no desenvolvimento daquela que é a base da tecnologia: a Matemática. O reino começava a entrar em decadência. Da mesma forma, a administração do Estado e das colônias não era eficaz, o que contribuía para tal problematização. Tal falta de visão de futuro é expressa por vários autores como decorrente da mentalidade do homem português, ainda presa excessivamente ao campo e às pequenas unidades de produção familiares e que, como disse Sérgio Buarque de Holanda, procura soluções momentâneas, rápidas e fáceis (que poupem esforços) para os problemas que enfrenta (a colonização brasileira, segundo o próprio Sérgio, é o maior exemplo). Não pensariam em resoluções e projetos a longo prazo; dessa forma, faltava ao português a mente científica, matemática e, porque não, visionária, erudita, voltada ao incremento das atividades intelectuais, acúmulo de conhecimento e conseqüente ampliação de oportunidades. As precoces centralização e grandeza lusitanas não ocorreram na mesma proporção que a mudança dessa consciência. Foi essa a característica lusitana, o Estado mercantilizou-se, mas não se organizou como centro de conhecimento(..) o dinheiro da expansão irá sobretudo para a colocação imobiliária, especialmente na construção de igrejas e solares(...) o investimento, quando se deu, inscreveu-nos quadros senhoriais". Enquanto isto os seus concorrentes, França e Inglaterra desenvolviam outro tipo de preocupação: a inteligência matemática. Pólo oposto ao seguido pelas nações ibéricas Portugal e Espanha, que não caminharam em direção ao conhecimento mais básico de todos, aquele que o filósofo Platão dizia ser “que não entre na Academia de Filosofia quem não souber geometria”, que era o nome dado à Matemática nos tempos dos filósofos, quinhentos anos antes de Cristo. Nem isto serviu de inspiração aos dirigentes ibéricos. Se a geometria era básica para a Filosofia e para Auguste Comte a Matemática (em sua hierarquia das ciências e do conhecimento científico, a mais genérica seria Sociologia, e a mais basilar, a Matemática) seria a mãe de todas as ciências, então se pode perceber onde está o erro de todo o planejamento dos países que não foram bem sucedidos no capitalismo. Ao contrário do que afirmou Adam Smith, no seu estudo sobre as Riquezas das nações, o segredo está no conhecimento tecnológico, cuja base é a Matemática. Nesse quadro, tornava-se cada vez mais oneroso manter as colônias e controlar gastos; o Estado Português beirava a falência. A perda da independência em 1580 somente veio piorar a situação já caótica. Formando a União Ibérica com a Espanha, Portugal envolvia-se diretamente com todos os conflitos armados que os espanhóis assumiam com o resto da Europa; isso implicava em gastos ainda maiores para uma economia já debilitada. O império colonial se desorganizou, sendo inclusive invadido por outras nações (como a Holanda no litoral pernambucano, nos anos 40 do século XVII). À mesma época, Inglaterra, França e Holanda (Países Baixos) desenvolviam sua economia e potencial marítimo, configurando-se como forças capazes de ameaçar a já decadente dominação ibérica. Portugal consegue, após diversas articulações e revoltas da nobreza, libertar-se do domínio espanhol em 1640. Felipe II da Espanha, Rei que anexou Portugal à União Ibérica Totalmente enfraquecido economicamente (perdera o monopólio do comércio oriental; o Brasil fora invadido; o açúcar de suas colônias enfrentava concorrentes no mercado europeu) e politicamente (precisava do reconhecimento europeu à nova dinastia real de Bragança), o país teve de aceitar o novo equilíbrio de forças no continente e submeter-se a alianças com as potências mais fortes tendo em vista três objetivos: manter sua economia em funcionamento, proteger-se de ataques e, principalmente, resguardar as posses coloniais no Ultramar. Para isso, a nação lusitana vai relembrar 1383, nas suas origens, e constituir alianças com a antiga aliada Inglaterra, que se configurava como a maior potência comercial do continente. Deveria ter ficado claro a esta altura, depois de duzentos anos do descobrimento do Brasil, para os países ibéricos, que o comércio de commodities contra produtos industrializados, de alto valor agregado, com tecnologia embutida, conhecimento científico lastreando os produtos industrializados não seria possível manter uma balança comercial superavitária entre os países ibéricos colonialistas agricultores e as potências industriais. A produção industrial exigiu e recebeu o impulso da matemática para tornar-se mais eficiente, eficaz, produtiva e cada vez mais precisa e padronizada. A qualidade dos produtos melhorava aos saltos, o controle da produção, as novas invenções e aperfeiçoamento dos teares, a substituição da força animal e humana era um caminho sem volta na indústria. O mesmo dinamismo não se viu na indústria agrícola do açúcar, do pau Brasil, do ouro, do algodão e do café. O que se altera, agora, são as posições. Fernando Novais escreveu, em Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial, que "o equilíbrio das relações políticas internacionais se organizava, nesse momento, em torno de França e Inglaterra (...) passando as monarquias ibéricas ao segundo plano". A política que cada nação seguiu ao longo desse tempo determinou uma ordem mundial mais diversificada a partir do século XVII, bem como a queda ibérica. Nesse contexto, os ingleses assumem, para Portugal, uma importância vital para a sobrevivência dos domínios ultramarinos e da economia. No entanto, aos portugueses cabe um papel secundário no que se refere ao mundo inglês. A partir da análise dos fatos da época, pode-se "concluir-se ter sido a importância política e econômica da Inglaterra para Portugal muito mais relevante que a importância de Portugal para a Inglaterra". Aos segundos interessava-lhes explorar comercialmente a nação ibérica, estender a rota comercial de suas manufaturas às colônias desta e ampliar sua esfera de poder na Europa, tirando da França, sua maior concorrente, aliados possíveis. Aos segundos, manter-se vivos na conjuntura européia e colonial; ou seja, manusear a grandeza do Império Português. AS RELAÇÕES Os acordos comerciais entre Portugal e Inglaterra começam, então, em 1642, assinando-se outros dois em 1654 e 1661. Nestes, fica clara a sujeição a que os lusos se submetiam: os portos de Portugal eram abertos aos navios ingleses (que controlarão importações e exportações); comerciantes ingleses residentes em Portugal obtinham privilégios fiscais, civis e judiciais (não se submetendo inclusive às leis locais e tendo um juiz especial – chamado privativo – para julgá-los em caso de infração); Portugal deveria obrigatoriamente adquirir seus navios na Inglaterra. Além disso, os comerciantes ingleses conseguem obter o direito de participar no comércio metropolitano com as colônias, exportando a elas seus produtos (com exceção de vinho, bacalhau, azeite e farinha, que eram monopólio lusitano) e fazendo os fretes de importação, dividindo com Portugal os lucros de venda na Europa (isso valia para todos os produtos coloniais, menos o pau-brasil, exclusivo da Coroa). O que ocorre, pois, é a perda do monopólio colonial. Se antes Portugal possuía exclusivismo na exportação e importação comercial com suas possessões, agora tinha de dividir tal comércio. Os ingleses penetraram com seus produtos nas colônias e, utilizando-se de sua marinha (maior em número e tecnologia), tornam-se o terceiro elemento nas transações entre Portugal e colônias. No entanto, passam a dominar esse comércio: os produtos que exportavam para a nação portuguesa e colônias eram principalmente manufaturas, cuja venda lhes rendiam bons lucros. Em contrapartida, o principal produto colonial oferecido era o açúcar, cuja venda em Europa rendia a maior parte das rendas da Coroa lusa. Mas este já era produzido pelas colônias antilhanas inglesas e distribuído na Europa, concorrendo com o português e determinando baixos preços. Configura-se assim o seguinte quadro: a Inglaterra lucra vendendo produtos manufaturados e de primeira necessidade (alimentos, roupas) a Portugal e seus domínios, e, possuindo também os direitos de transporte dos produtos portugueses às colônias e vice-versa, obtinha rendas. Quadro I Principais parceiros comerciais e composição das trocas na primeira metade do século XVIII Inglaterra Holanda França Espanha Alemanha Cidades italianas Colônias americanas Escandinávia Importações bacalhau carvão cereais cobre, ferro cordas ferragens ferro forjado laticínios manufaturas papel pólvora têxteis vidros art. náuticos cavalos laticínios linhos madeiras prod. cobre prod. ferro trigo artig. luxo cereais gesso sedas alpiste cereais ferro fruta frutas secas lã peixe vinagre cereais laticínios linhos madeiras arroz cereais panos papel sedas bacalhau biscoito cereais farinha cereais enxárcia ferro tabuado Exportações azeite cortiça couros diamantes fruta lã pau-brasil sal sumagre vinhos açúcar couros diamantes fruta pau-brasil sal tabaco vinho açúcar couros lã pau-brasil açúcar cereais couros gado lã sal tabaco vinho açúcar pau-brasil sal tabaco vinho açúcar couros tabaco fruta sal tabaco fruta sal Fonte: Mattoso, 1939 Portugal, no entanto, conseguia baixos rendimentos: as importações coloniais, de produtos agrícolas, concorriam no mercado europeu com as de outras metrópoles; as exportações para os mercados de suas colônias pouco rendiam, visto que eram dominados pelos produtos ingleses; suas exportações para a Inglaterra resumiam-se, principalmente, a vinhos (que, segundo Sideri, já tinham desde tal época menor taxa de entrada no mercado inglês para concorrer com os franceses) e outros alimentos; e ainda tinha de dividir parte do que ganhava, para pagar custos de transporte. Essa perda do exclusivismo agravou a situação portuguesa, bem como a diferença de valor entre os produtos trocados entre as duas nações, e não só criou um grande déficit na balança comercial com a Inglaterra mas minou possibilidades de desenvolvimento. Sideri pensa que "o lento desenvolvimento [do comércio de Portugal com as colônias] provocava um incentivo na criação e expansão das manufacturas em Portugal. A partir da assinatura dos tratados(...) reduziu-se significativamente a percentagem dos manufaturados portugueses exportados para as colônias". O pólo de destaque comercial desloca-se para a ilha européia, que passa a controlar as transações comerciais com o universo colonial e o Oriente. Quadro II Exportação de vinhos para a Inglaterra (valores médios) Pipas (milhares) Índice (1700-04 = 100) 1675-79 1,2 8 1680-84 14,0 88 1685-89 5,6 35 1690-94 11,1 70 1695-99 11,3 71 1700-04 15,9 100 1705-09 17 107 1710-1714 14,3 90 1715-19 22,8 143 1720-24 25,4 160 1725-29 27,1 170 1730-34 22,1 139 1735-39 25,4 160 1740-44 25,6 161 1745-49 26,2 165 1750-54 20,9 131 1755-59 21,0 132 1760-64 23,8 150 1765-69 26,9 169 1770-74 24,8 156 1775-79 24,8 156 1780-84 23,7 149 1785-89 33,1 208 Fonte: Mattoso, 1939 Da mesma forma, dentro de Portugal os comerciantes ingleses obtinham vantagens comerciais que os permitiam construir fortuna. Eles formavam entre si organizações comerciais (feitorias) e controlavam os negócios de importação e exportação entre Inglaterra, colônias e Portugal. E, quando a exportação de vinho (final do século XVII) para a Inglaterra tornou-se um negócio importante, passaram a controlar a produção na região do Alto Douro, submetendo os plantadores aos preços que estabeleciam e fazendo todo tipo de chantagens para comprar os vinhos da maneira que lhes fosse melhor e mais lucrativa. A produção agrícola portuguesa se especializou nos vinhos Tal situação foi reforçada quando, em virtude do Tratado de Methuen, Portugal se especializou na produção vinícola (em detrimento de outras culturas) e um pouco atenuada quando Pombal colocou intervenção estatal nas transações entre comerciantes e produtores, com a Companhia de Vinhos do Alto Douro. Tamanhas facilidades somente poderiam atrair ingleses para estabelecer negócios em Portugal. Segundo João Lúcio de Azevedo, "em 1717 contavam-se 90 casas de comércio inglesas somente em Lisboa". Mas é preciso ressaltar que tal monopólio comercial inglês era reforçado também pelo que se disse na primeira parte: a falta de mentalidade comercial dos portugueses, sua falta de preparo para o Capitalismo. E principalmente, a defasagem do conhecimento científico matemático português. Vejamos o comentário do mesmo historiador a respeito dos comerciantes lusos da época: "Os negociantes da terra eram poucos, fracos de cabedal e ignorantes(...) traficantes bisonhos, e sem o recurso indispensável do crédito, porque bancos não havia, os ardis triviais do comércio encontravam-se inermes". Portanto, uma primeira mas fundamental conclusão podemos alcançar, que já serve para desmistificar o Tratado de Methuen (visto por muitos erroneamente como o que estabelece a dependência lusitana aos ingleses). A dominação comercial portuguesa pela Inglaterra, bem como o domínio desta nas colônias lusas, estabelece-se logo após a Restauração. Methuen não a constitui, mas sim a reforça, como escreveu Sideri. "O tratado(...) mais não foi que o resultado lógico de uma situação vinda do século XVII, com a assinatura dos tratados de 1642, 1654 e 1661". Da mesma maneira, esse tratado não propôs exclusivismo comercial entre ingleses e portugueses: os primeiros não deixaram de comprar vinhos de França e Espanha somente porque tinham acordo com Portugal; os segundos tentaram desenvolver manufaturas têxteis, diminuir a influência inglesa e constituíram relações comerciais inclusive com inimigos ingleses (sendo tal ação parte integrante das relações de neutralidade lusas defendidas por Novais em sua obra: Portugal evitava envolver-se em guerras européias para assim, mesmo aliado comercial da Inglaterra, poder comercializar com outros países). Portugal possuía acordos de defesa e comerciais com os ingleses, que tinham preferência. Mas não deixou em nenhum momento de procurar manter uma política neutra no continente, abstendo-se de tomar posições em guerras (somente quando a Inglaterra o forçava tinha de participar) e mantendo comércio com outras nações. Por exemplo, lusitanos e franceses mantinham intensas relações comerciais no século XVIII tendo como produto chave o algodão produzido no Brasil; da mesma forma, não deixaram de entrar em Portugal panos franceses e holandeses, embora em menor quantidade e taxas de impostos superiores às da Inglaterra. Em algumas oportunidades Portugal até enfrentou a Inglaterra, principalmente no governo de Pombal, quando o Estado passou a exercer maior controle sobre a produção vinícola (intermediando a venda de produtores aos comerciantes ingleses, procurando auxiliar os primeiros), promovendo um processo de industrialização e controlando com mais afinco o comércio entre Portugal e Brasil, por meio de Companhias de Comércio. O Marques de Pombal Pombal sentia que era preciso reduzir a influência inglesa para reconquistar a independência nacional e melhorar a economia. Seus planos enfrentaram represálias por parte da Inglaterra (que, por exemplo, praticamente igualou as taxas de entrada dos vinhos franceses e portugueses em seu território, reduzindo assim a procura por este na Inglaterra e, conseqüentemente, as exportações portuguesas), mas alcançaram certo sucesso: Portugal reduziu suas importações e diversificou as exportações. No entanto, a entrada do século XIX trouxe a invasão napoleônica e a necessidade de proteção inglesa. O domínio voltava a se configurar; agora, mais forte e disposto a aplicar uma punhalada em Portugal: tirar os lusitanos da intermediação do seu comércio com o Brasil. Espera-se aqui termos consertado um certo equívoco de muitos livros, que é considerar o Tratado de Methuen como definidor de exclusivismos comerciais anglo-lusitanos, bem como que o único estabelecedor das relações de dominação dos ingleses sobre a nação lusitana. Fora a opção ibérica pelo abandono da Matemática que permitiu que o setor mais dinâmico da economia que sempre foi o setor de uso intensivo de tecnologia, naquela época representada pela indústria manufatureira, que dependia de uma ampla base de conhecimentos teóricos dado pela Matemática. Denada adiantaria a Portugal industrializar-se importando a modernas máquinas de tear da Inglaterra ou da França. Seria outra forma de dependência tecnológica para Portugal. Somente a capacidade de projetar e de desenvolver tecnologia mecânica daria a Portugal condições de voltar a parear-se com França e Inglaterra, através do incentivo ao aprimoramento do desenvolvimento científico interno e a conseqüente evolução tecnológica derivada do complexo científico matemático que é a única base da prosperidade de uma nação. O TRATADO DE METHUEN E SUAS INTERPRETAÇÕES Assinado em 27 de dezembro de 1703 em Lisboa, o Tratado de Methuen constava de três artigos, afirmando que a Inglaterra se comprometia a adquirir os vinhos de Portugal, pagando estes dois terços dos direitos impostos aos vinhos franceses. Na mesma lógica, os portugueses se comprometiam a adquirir os panos ingleses. Este tratado, como afirmamos, somente confirmou os termos já definidos nos tratados do século anterior; ele apenas reafirma e confirma as práticas comerciais de exportação vinícola e têxtil que as nações desenvolviam entre si. Na prática, podemos considerar que Methuen apenas ajuda a agravar a crise da ciência e da matemática com a sinestesia no sistema da base econômica lusitana e fornece aos ingleses os subsídios para financiar a ciência e tecnologia inglesa bases para a Revolução Industrial e firmar-se definitivamente como a maior potência européia. Sideri afirma em seu livro que as relações comerciais anglo-lusitanas geravam, na maioria dos casos, déficit comercial na balança portuguesa, visto que o valor em importações (não somente de panos, mas de outras mercadorias de primeira necessidade) era sempre maior que o de exportações. A produção de vinho para exportação somente piorou tal quadro, pois as melhores terras da nação dedicaram-se exclusivamente a tal cultura, reforçando a necessidade de compra de alimentos. Para agravar mais ainda, os vinhos rendiam pouco para Portugal, pois, como vimos, sua venda era coordenada pelos comerciantes ingleses residentes em terras portuguesas (utilizando-se dos meios já citados anteriormente, esses comerciantes locais de saída monopolizavam o grosso das rendas do comércio de vinhos, o que contribuía para os baixos lucros portugueses e as altas rendas da Inglaterra). Como compensar tal situação e pagar os déficits, garantindo assim a manutenção das relações com seu maior parceiro e a proteção militar contra invasões que ele lhe assegurava? Aqui entra o ouro das minas brasileiras; será este metal o grande fator econômico que os lusos oferecerão à Inglaterra para equilibrar o comércio. E não se pode negar que o metal era de interesse inglês. Luiz Koshiba afirma que o tratado foi coincidentemente assinado na época em que começava a descobrir-se ouro no Brasil. Afinal, a Inglaterra necessitava de ouro para equilibrar sua própria balança comercial com a França (que apresentava déficits), aumentar seus estoques e ampliar a circulação de moeda corrente em seu território, intensificando assim o mercado interno e os capitais que este poderia gerar com o incremento da produção que tal mercado pediria. O metal brasileiro, não tendo em quê ser investido em Portugal (pois esta possuía restrito mercado interno e não tinha atividades manufatureiras a serem expandidas e não acreditava em investimento no conhecimento científico, na Matemática e em tecnologia) será escoado quase em sua totalidade para a nação inglesa, permitindo a acumulação de capitais por parte da burguesia inglesa bem como o crescimento do mercado local; ou seja, será um fator essencial para a ocorrência da Revolução científica lastreada pela revolução da matemática cuja sinestesia foi a Revolução Industrial, que colocou a Inglaterra na liderança mundial. Claro que, para tal acontecimento, não se pode negar a influência dos próprios termos de Methuen: ao conseguir um mercado fiel aos seus tecidos, a indústria inglesa pôde desenvolver sua produção, criando as condições para acumular conhecimento científico, consequentemente gerando tecnologia que gera capital financeiro a ser reinvestido. Em troca de tantas vantagens, somente tiveram de ajustar seu paladar para consumir vinho do Porto, que era, de início, preterido pelos da França. Portanto, podemos também afirmar que o Tratado de Methuen confirmou a dominação inglesa sobre Portugal e suas colônias, em especial o Brasil. Mais do que isso, impediu por sinestesia com a falta de estratégia do Estado Português o desenvolvimento industrial lusitano, ao controlar seu abastecimento de têxteis, e fez-se maior com o ouro brasileiro. O crescimento de um (ingleses) representou a decadência do outro (portugueses); economicamente falando, podemos afirmar que a divisão de tarefas produtivas anglo-portuguesas encaixa-se nos nascentes princípios econômicos liberais do século XVIII: elas faziam parte da chamada Divisão Internacional do Trabalho, desenvolvida pelo economista David Ricardo e que pregava a especialização dos países em determinada função que bem soubessem cumprir, dinamizando e desenvolvendo assim a economia mundial como um todo, bem como as boas relações entre as nações. Em outros termos, uma divisão entre países desenvolvidos (produtores de manufaturas) e subdesenvolvidos (produtores de matérias-primas), escondia outra divisão não visível: a divisão entre os países que valorizam e investem em desenvolvimento científico e os que não o fazem. Isto nem a teoria de David Ricardo assume claramente. O Conde de Ericeira No entanto, esse consenso sobre Methuen não existe. Até hoje diversos autores debatem o tratado. Há alguns, como Antônio Mattoso, que o consideram benéfico para ambas as partes: os vinhos lusos estabeleceram-se de vez nas ilhas inglesas, os panos ingleses penetraram em Portugal derrubando as restrições impostas no final do século passado, quando a política do Conde de Ericeira tentou desenvolver manufaturas nas terras lusitanas, para evitar gastos maiores com importações. No entanto, tal tentativa foi combatida e vencida por pressões inglesas e até mesmo internas: a aristocracia portuguesa atravancava o desenvolvimento industrial, pois considerava este um rompimento de suas tradições campestres. Essa visão está ausente em Sideri. Este autor afirma decisivamente que as manufaturas em Portugal, por causa do Tratado, ficaram travadas; o desenvolvimento parou em geral, a economia entrou em crise. Na verdade não existe base industrial sem a base da tecnologia, e a base tecnológica não existe sem o conhecimento científico, e o conhecimento científico é lastreado pela base Matemática. "A agricultura encontrava-se em estado lastimoso; o comércio entregue a estrangeiros, as manufaturas não existiam nas zonas costeiras, e as do interior possuíam técnicas ultrapassadas e não conseguiam progredir, dada a limitação das capacidades empresariais, a falta de conhecimento tecnológico e a ausência dos estudos e ensino de Matemática, a pequena dimensão do mercado que pretendiam abastecer(...) o Brasil, a única colônia com (...) dimensão econômica, constituía um mercado importador de bens estrangeiros, especialmente ingleses". Daí conclui Sideri: "é de todo impossível defender a idéia de que o Tratado de Methuen provocou vantagens comerciais para Portugal". Parece esclarecer tudo: para Portugal, este tratado representou a renúncia a qualquer espécie de desenvolvimento industrial, científico, Matemático, tecnológico e resultou na transferência para a Inglaterra do impulso dinâmico gerado pelo ouro brasileiro, pelo esforço científico e tecnológico lastreado nos conhecimentos dos grandes Matemáticos da Europa. Já João Lúcio de Azevedo afirma que não foi Methuen quem deu preponderância à Inglaterra no comércio com Portugal, mas sim os tratados de 1642, 54 e 61. O de 1703 caracterizou-se, para ele, por propiciar às indústrias lusas fugaz prosperidade e, principalmente, a expansão da cultura vinícola na região do Alto Douro. Mas não nega que, nesses tratados, "todas as obrigações ficavam a Portugal, todas as vantagens a Inglaterra" . Por seu lado, Jorge Borges de Macedo considera, sim, que Portugal realmente enfrentou no século XVIII uma decadência manufatureira, mas não em decorrência do tratado de Methuen e sim do ouro brasileiro. Para o citado autor, a obtenção do metal na colônia americana fizera com que Portugal parasse de se preocupar com o desenvolvimento de outras formas de pagar suas dívidas com a Inglaterra ou procurasse incrementar a produção agrícola e de manufaturas internamente para assim reduzir importações, visto que havia agora ouro para pagar tais dívidas. Como vimos o ouro brasileiro não substitui o conhecimento científico, tecnológico e o ensino e apoio da Matemática para os fundamentos de uma nação com sustentabilidade econômica. Teria sido, então, a posse do metal um estimulador para solucionar os problemas facilmente, sem se pensar no longo prazo de que o ouro poderia acabar e, sem desenvolvimento interno, a necessidade de importação tornar-se maior. O conhecimento científico não é como o ouro, que somente dá uma safra, ao contrário ele se repruduz, cresce, se metamorfoseia em tecnologia, em prestígio internacional, e produz riquezas. Continua o autor: "os portugueses tiveram a indústria muito diminuída desde que encontraram as minas de ouro e prata do Brasil". Parece que o caráter do lusitano, de procurar soluções rápidas e instantâneas para seus problemas e não fazer projetos para o futuro, prendendo-se totalmente ao momento vivido (tão bem mostrado por Sérgio Buarque de Holanda em Raízes do Brasil), continuava imperando, mesmo com o crescimento de outro sistema comercial e produtivo (Capitalismo). No aspecto manufatureiro, o autor afirma ainda que não se pode generalizar; afinal, algumas manufaturas funcionavam nas localidades do interior; as classes populares continuavam a consumir os tecidos portugueses, que eram de pior qualidade mas mais baratos. Os maiores consumidores de tecidos ingleses eram as classes médias e nobreza, habitantes das regiões costeiras (e influenciadas diretamente pelos navios ingleses que chegavam abarrotados de tecidos). No entanto, nem sempre esses tecidos penetravam no interior da nação, o que garantia a preponderância dos panos nacionais nessas áreas. O que Macedo procura demonstrar é que "tanto antes quanto depois do Tratado de Methuen, continuou a existir indústria de lanifícios em Portugal, com amplo e longo consumo". Contraria, assim, a visão de Sideri, talvez um pouco extremista. João Lúcio de Azevedo afirma em sua obra que, realmente, parte da indústria lanifícia sobreviveu em Portugal mesmo com os tratados. Cita, por exemplo, que o abastecimento de panos às forças armadas era encargo das manufaturas portuguesas; mas não deixa de ressaltar que tal indústria estava em decadência, e aponta motivos: além do quase exclusivismo inglês no abastecimento comercial, a insuficiência técnica e falta de participação de um Estado decidido a apoiar esse processo de industrialização, e que não ficasse mais preso à mentalidade feudal de sua nobreza, entrando de uma vez no universo capitalista. Para comprovar esse quadro, afirma que em 1784, "dos lanifícios consumidos em Lisboa, não passariam de uma décima parte os de produção nacional". Da mesma forma que não se pode negar a vivência, ainda que limitada, das manufaturas lusitanas durante a época dos tratados, também não se pode afirmar que sua participação era ínfima perto do poderio e capacidade inglesas. Assim, o Tratado de Methuen tem sua importância no quadro econômico e político do século XVIII. Determinou o domínio inglês sobre Portugal, um mercado garantido para seus produtos e fundos monetários para realizar a Revolução Industrial e tornar-se a maior potência européia. Trata-se de um fato histórico a ser estudado e desmistificado em muitos de seus aspectos e conseqüências, analisados erroneamente. As invenções não resultam de atos individuais ou do acaso, mas de problemas concretos coloca¬dos para homens práticos. O invento atende à necessidade social de um momento; do contrário, nasce morto. Da Vinci imaginou a máquina a vapor no século XVI, mas ela só teve aplicação no século XVIII com o desenvolvimento da Matemática mais adequada aos desejos e práticas tecnologias exigidas para efetivar os inventos de Da Vinci. Para alguns historiadores, a Revolução Industrial começa em 1733 com a invenção da lançadeira volante, por John Kay. O instrumento, adaptado aos teares manuais, aumentou a capacidade de tecer; até ali, o tecelão só podia fazer um tecido da largura de seus braços. A invenção provocou desequilíbrio, pois começa¬ram a faltar fios, produzidos na roca. Em 1767, James Hargreaves inventou a Spinning jenny, que permitia ao artesão fiar de uma só vez até oitenta fios, mas eram finos e quebradiços. A Water Frame de Richard Arkwright, movida a água, era econômica, mas produzia fios grossos. Em 1779, S Samuel Crompton combinou as duas máquinas numa só, a Mule, conseguindo fios finos e resistentes. Mas agora sobravam fios, desequilíbrio corrigido em 1785, quando Edmond Cartwright inventou o tear mecânico. Cada problema surgido exigia nova invenção. Para mover o tear mecânico, era necessária uma energia motriz mais constante que a hidráulica, à base de rodas d’água. James Watt, aperfeiçoando a máquina a vapor, chegou à máquina de movi¬mento duplo, com biela e manivela, que transformava o movimento linear do pistão em movimento circular, adaptando-se ao tear. Para aumentar a resistência das máquinas, a madeira das peças foi substituída por metal, o que estimulou o avanço da siderurgia. Nos Esta¬dos Unidos, Eli Whitney inventou o descaroça¬dor de algodão. Em 1801, Joseph Marie Jacquard inventou um tear mecânico dotado de uma leitora de cartões perfurados, os quais representavam os desenhos do tecido - portanto um processador das informações relativas à padronagem do tecido; o tear funcionava tão bem que este é o primeiro exemplo prático de desemprego provocado pela automação! As primeiras máquinas a vapor foram construídas na Inglaterra durante o século XVIII. Retiravam a água acumulada nas minas de ferro e de carvão e fabricavam tecidos. Graças a essas máquinas, a produção de mercadorias aumentou muito. E os lucros dos burgueses donos de fábricas cresceram na mesma proporção. Por isso, os empresários ingleses começaram a investir na instalação de indústrias. As fábricas se espalharam rapidamente pela Inglaterra e provocaram mudanças tão profundas que os historiadores atuais chamam aquele período de Revolução Industrial. O modo de vida e a mentalidade de milhões de pessoas se transformaram, numa velocidade espantosa. O mundo novo do capitalismo e do conhecimento científico, da cidade, da tecnologia, da Matemática e da mudança incessante triunfou. As máquinas a vapor bombeavam a água para fora das minas de carvão. Eram tão importantes quanto as máquinas que produziam tecidos. As carruagens viajavam a 12 km/h e os cavalos, quando se cansavam, tinham de ser trocados durante o percurso. Um trem da época alcançava 45 km/h e podia seguir centenas de quilômetros. Assim, a Revolução Industrial tornou o mundo mais veloz. Como essas máquinas substituiam a força dos cavalos, convencionou-se em medir a potência desses motores em HP (do inglês horse power ou cavalo-força). Apenas o desejo humano de criar as máquinas não foi nem é suficiente para que elas surjam. Não foi apenas a abundância de carvão minério de ferro suficientes para desencadearem a Revolução Industrial, nem o surgimento das máquinas a vapor e a eletricidade. Foi o domínio científico das leis que permitissem e explicassem metodicamente o funcionamento das leis da Matemáticas aplicadas à natureza que permitiu manipular e colocar à disposição da criatividade humana os conhecimentos mágicos que empurraram a tecnologia em direção à afirmação dos desejos e dos sonhos dos inventores humanos. Foi primeiro necessário consolidar o conhecimento básico da abstração matemática, para aplicá-la de modo prático às idéias produtivas que foram transformando o modo de ver e sentir a realidade, e a partir dos sucessos obtidos os inventores foram acumulando e avançando no conhecimento, estabelecendo novos instrumentos teóricos, e novos métodos de projetar, novas ferramentas, novos instrumentos de medição, novas maneiras de combinar os conhecimentos, novas epecializações do conhecimento. Enquanto as antigas guildas acumulavam conhecimento apenas prático da manufatura, a falta de intercâmbio de informações e a falta da base teória matemática resultaram em quase um milênio de estagnação tecnológica. Bastou a abertura da revolução renascentista para que os matemáticos quebrassem os segredos das ligas de profissionais medievais e incorporassem as teorias à prática para que a maneira de produzir desse um enorme salto qualitativo, copiando e aperfeiçoando o método de produção em série padronizada medieval na divisão das tarefas industriais, com o advento da utilização de máquinas movidas à força mecânica, exigindo a solução matemática de novos problemas advindos da aceleração alucinada da linha de produção mecanizada, mais precisa e exata. Abaixo, um pequeno histórico da evolução histórica da Matemática : 4000 a.C. Na Mesopotâmia, os sumérios desenvolvem um dos primeiros sistemas numéricos, composto de 60 símbolos. 520 a.C. O matemático grego Eudoxo de Cnido define e explica os números irracionais. 300 a.C. Euclídes desenvolve teoremas e sintetiza diversos conhecimentos sobre geometria. É o início da Geometria Euclidiana. 250 Diofante estuda e desenvolve diversos conceitos sobre álgebra. 500 Surge na Índia um símbolo para especificar o algarismo zero. 1202 Na Itália, o matemático Leonardo Fibonacci começa a utilizar os algarismo arábicos. 1551 Aparece o estudo da trigonometria, facilitando em pleno Renascimento Científico, o estudo dos astros. 1591 O francês François Viète começa a representar as equações matemáticas, utilizando letras do alfabeto. 1614 O escocês John Napier publica a primeira tábua de Logarítimos. 1637 O filósofo, físico e matemático francês René Descartes desenvolve uma nova disciplina matemática: a geometria analítica, com a misitura de álgebra e geometria. 1654 Os matemáticos franceses Pierre de Fermat e Blaise Pascal desenvolvem estudos sobre o cálculo de probabilidade.1669 O físico e matemático inglês Isaac Newton desenvolve o cálculo diferencial e integral. 1685 O inglês John Wallis cria os números imaginários. 1744 O suíço Leonard Euler desenvolve estudos sobre os números transcendentais. 1822 A criação da geometria projetiva é desenvolvida pelo francês Jean Victor Poncelet. 1824 O norueguês Niels Henrik Abel conclui que é impossível resolver as equações de quinto grau. 1826 O matemático russo Nicolai Ivanovich Lobachevsky desenvolve a geometria não euclidiana. 1931 Kurt Gödel, matemático alemão, comprova que em sistemas matemáticos existem teoremas que não podem ser provados nem desmentidos. 1977 O matemático norte americano Robert Stetson Shaw faz estudos e desenvolve conhecimentos sobre A Teoria do Caos. 1993 O matemático inglês Andrew Wiles consegue provar através de pesquisas e estudos o último teorema de Fermat. Século XVII • 1698 - Thomas Newcomen, em Staffordshire, na Grã-Bretanha, instala um motor a vapor para esgotar água em uma mina de carvão. Século XVIII • 1708 - Jethro Tull (agricultor), em Berkshire, na Grã-Bretanha, inventa a primeira máquina de semear puxada a cavalo, permitindo a mecanização da agricultura. • 1709 - Abraham Darby, em Coalbrookdale, Shropshire, na Grã-Bretanha, utiliza o carvão para baratear a produção do ferro. • 1733 - John Kay, na Grã-Bretanha, inventa uma lançadeira volante para o tear, acelerando o processo de tecelagem. • 1740 - Benjamin Huntsman, em Handsworth, na Grã-Bretanha, descobre a técnica do uso de cadinho para fabricação de aço. • 1761 - Abertura do Canal de Bridgewater, na Grã-Bretanha, primeira via aquática inteiramente artificial. • 1764 - James Hargreaves, na Grã-Bretanha, inventa a fiadora "spinning Jenny", uma máquina de fiar rotativa que permitia a um único artesão fiar oito fios de uma só vez[2]. • 1765 - James Watt, na Grã-Bretanha, introduz o condensador na máquina de Newcomen, componente que aumenta consideravelmente a eficiência do motor a vapor. • 1768 - Richard Arkwright, na Grã-Bretanha, inventa a "spinning-frame", uma máquina de fiar mais avançada que a "spinning jenny". • 1771 - Richard Arkwright, em Cromford, Derbyshire, na Grã-Bretanha, introduz o sistema fabril em sua tecelagem ao acionar a sua máquina - agora conhecida como "water-frame" - com a força de torrente de água nas pás de uma roda. • 1776 - 1779 - John Wilkinson e Abraham Darby, em Ironbridge, Shrobsihire, na Grã-Bretanha, constroem a primeira ponte em ferro fundido. • 1779 - Samuel Crompton, na Grã-Bretanha, inventa a "spinning mule", combinação da "water frame" com a "spinning jenny", permitindo produzir fios mais finos e resistentes. A mule era capaz de fabricar tanto tecido quanto duzentos trabalhadores, apenas utilizando alguns deles como mão-de-obra. • 1780 - Edmund Cartwright, de Leicestershire, na Grã-Bretanha, patenteia o primeiro tear a vapor. • 1793 - Eli Whitney, na Geórgia, Estados Unidos da América, inventa o descaroçador de algodão. • 1800 - Alessandro Volta, na Itália, inventa a bateria elétrica. • Século XIX • 1803 • Robert Fulton desenvolveu uma embarcação a vapor na Grã • Bretanha. • • 1807 • A iluminacão de rua, a gás, foi instalada em Pall Mall, Londres, na Grã • Bretanha. • • 1808 • Richard Trevithick expôs a "London Steam Carriage", um modelo de locomotiva a vapor, em Londres, na Grã • Bretanha. • • 1825 • George Stephenson concluiu uma locomotiva a vapor, e inaugura a primeira ferrovia, entre Darlington e Stockton-on-Tees, na Grã • Bretanha. • • 1829 • George Stephenson venceu uma corrida de velocidade com a locomotiva "Rocket", na linha Liverpool • Manchester, na Grã • Bretanha. • 1830 • A Bélgica e a França iniciaram as respectivas industrializações utilizando como matéria • prima o ferro e como força • motriz o motor a vapor. • 1843 • Cyrus Hall McCormick patenteou a segadora mecânica, nos Estados Unidos da América. • 1844 • Samuel Morse inaugurou a primeira linha de telégrafo, de Washington a Baltimore, nos Estados Unidos da América. • 1856 • Henry Bessemer patenteia um novo processo de produção de aço que aumenta a sua resistência e permite a sua produção em escala verdadeiramente industrial. • 1865 • O primeiro cabo telegráfico submarino é estendido através do leito do oceano Atlântico, entre a Grã-Bretanha e os Estados Unidos da América. • 1869 • A abertura do Canal de Suez reduziu a viagem marítima entre a Europa e a Ásia para apenas seis semanas. • 1876 • Alexander Graham Bell inventou o telefone nos Estados Unidos da América (em 2002 o congresso norte • americano reconheceu postumamente o italiano Antonio Meucci como legítimo invetor do telefone) • • 1877 • Thomas Alva Edison inventou o fonógrafo nos Estados Unidos da América. • 1879 • A iluminação elétrica foi inaugurada em Mento Park, New Jersey, nos Estados Unidos da América. • 1885 • Gottlieb Daimler inventou um motor a explosão. • 1895 • Guglielmo Marconi inventou a radiotelegrafia na Itália. • • Estamos chegando lá. O inferno está dominando o paraíso terrestre em nome do europoliticamente correto. • Quem tem mais de 30 anos de idade sabe do que estou falando. Misturam expectativas e crenças com informações pseudocientíficas. • O europseudocientificismo é uma área que rejeita qualquer tipo de controle metodológico da Ciência. • Desde que Karl Popper criticou os métodos científicos dedutivistas, indutivistas e reducionistas, a metodologia científica deu soluços e cambalhotas no ar até cair no total alvoroço da fase de transição onde o velho não morreu para dar lugar ao novo que não foi recebido na cidade científica. É o limbo do conhecimento interparadigmático. • Acontece que Karl Popper afirmou em seu tópico de refutacionismo que qualquer conhecimento ou teoria pode ser provada e validada, basta procurar os elementos probatórios e comprobatórios adequados (convenientemente escolhidos, selecionados, tabulados), dados e fatos que os comprovem, e isto é muito fácil para aquele tipo de pesquisador imediatista e determinista. • Inconformado com este rumo, Karl propôs que toda teoria precisa passar pelo teste da refutabilidade, isto significa que toda teoria deverá falhar em algum momento de seu teste de afirmação. Se isto não acontecer é porque acontecerá em um futuro certo. Assim ficou assentado que todo conhecimento é precário e transitório, a única coisa definitiva em Ciência é a mudança. • Tudo é válido até que uma nova informação torne a informação corrente obsoleta, pois é assim: de revolução em revolução caminha o conhecimento científico (ou deveria ser). • Dito isto, não se pode conformar-se com as expectativas criadas ao longo das mais de cinco décadas onde vem aumentando a quantidade de produtos e circunstâncias que se colocam para as pessoas se aconselharem sobre o que poderia ser nocivo para a saúde de cada um. • Cada vez surge um inimigo mortal da saúde humana, como se fosse a verdade única e indiscutível, sem considerar as variantes fisiológicas e circunstanciais que individualizam e personalizam as necessidades e características étnicas, etárias, de gênero, de região geográfica, de clima, de saúde, enfim, tentam sempre criar uma panacéia como se a medicina não fosse casuística, assim, via os meios de comunicação de massa se fornecem diagnósticos coletivos indiscriminadamente, a granel como se os médicos pudessem atender aos paciente em grupo. • Estes euroalertadores de plantão então disseminam conselhos e advertências alarmando a população contra virtuais perigos mortais e que certamente irão acautelá-las de males que certamente advirão caso não se abstenham de práticas, produtos, substâncias, eventos e comportamentos altamente prejudiciais à saúde, tudo isto respaldado na velha Ciência, para calar a refutação advinda de qualquer lado. • Assim vimos serem imoladas no altar da proibição coisas como o tomate, que, segundo os navegadores da Era Colombiana, eram proibidos de ingeri-lo por causa do veneno que ela trazia. É óbvio que o tomate muito tempo depois virou o principal produto de tempero levado das Américas para a Europa pelos próprios euronavegadores que colonizaram as Américas. Mas, não envergonhados pelo vexame, os mesmos europeus, agora devidamente respaldados pelo conhecimento eurocientífico, voltam sempre à estas paragens para nos advertir dos perigos escondidos na natureza. • Foi assim com o sal, este produto natural, composto de Cloreto de Sódio e Potássio. Um veneno mortal para destruir a saúde. Mas, não é somente o sal, há também o perigo da carne vermelha. O sal, além de matar os peixes do mar de pressão alta, há também o perigo da carne vermelha a envenenar os animais carnívoros, os quais precisam mudar a sua dieta imediatamente: imagine um felino como o leão comendo folhas verdejantes junto com um elefante! • Mas não ficamos aí. Há o perigo da carne de churrasco. Quantos produtos nocivos se formam sob a fumaça do carvão ardendo em brasa, quantas substâncias tóxicas ficam ali ativas prontas para nos envenenar. O rei Sol, com todo o seu resplendor, quem diria, que com exceção dos materiais radioativos, se constitui a única fonte primária e secundária de toda a energia que recebemos e consumimos na nossa pequena rocha, a Terra, pois não é que o sol pode nos matar com a sua radiação letal, segundo os alarmistas pseudocientíficos! • Ainda não terminamos a lista. Há os produtos artificiais, como a gordura trans, os produtos transgênicos, os refrigerantes, as bebidas alcoólicas, a lista é acrescida de coisas cada vez mais estranhas à verdadeira Ciência, assim, acrescentamos as frituras, o ovo, o cigarro, que na forma de fumo era há pouco tempo depois da Era dos Eurodescobrimentos indicado para a cura de resfriado e da pneumonia e asma, pasmem, aliás, tudo que os indígenas faziam e consumiam virou sagrado. • A norma desta eurotribo é que tudo que vem da natureza intocada pelo homem é bom e saudável. Assim os remédios recomendados são a ingestão de muita água, ah!, Este precioso líquido, uma mistura composta de hidrogênio e Oxigênio, altamente oxidante, é o remédio para todos os males conhecidos e desconhecidos pelos magos da saúde total; as caminhadas e as corridas, e qualquer tipo de atividade física ao ar livre é altamente benéfica para os humanos em geral. • Assim, as europosologias e indicações vão tomando ares cada vez mais românticos passando ao largo da Ciência interparadigmática proposta por Karl Popper, e vão preconizando um euromundinho euronatureba cheio de coisas sãs que no futuro serão trocadas por outras listas de europroibições e de eurorecomendações. • Já foi a época em que alguns produtos naturais eram reconhecidamente milagrosos como o confrei, este pequeno e poderoso anticoagulante era indicado para tudo, assim como o mel-de-abelhas, quantos milagres ele seria capaz de produzir se ingerido em quantidades cada vez maiores, assim como o foi a vez do espinafre, foi a vez do açaí, foi a vez dos brócolis, foi a vez da pimenta, assim a natureza além de nos alimentar nos enchia de esperanças de vida eterna, senão muito longa, se nos abstivéssemos dos remédios alopáticos, estes juntamente com as cirurgias invasivas, verdadeiros perigos para a saúde e sobrevivência humana. • Tratamentos euroalternativos surgiram aos borbotões, alguns mais antigos que a civilização: acupuntura, cromoterapia, palhaçoterapia, massagem aiurvédica, pajelanças, caldos e garrafadas, enfim sonhar é melhor que viver a realidade, e no desespero qualquer corda é a corda da salvação para nos agarrarmos. • A última instância destas eurocrendices é a eurocrença de que a natureza corre enorme perigo devido aos fatores de interferência humanoambiental ligados à destruição da camada de ozônio. Até que, para a frustração dos euronaturologistas, algum cientista refutou a tese dos aerosóis de freon e culpou o arroto dos bovinos pela maior parte da destruição desta camada atmosférica de proteção da radiação ultravioleta cósmica (com pode vir alguma coisa hostil dos céus-espaço sideral?). • Como seria bom para eles que fossem os humanos os culpados pela destruição da camada de ozônio, pois a natureza em sua sabedoria deveria nos proteger, segundo esta crença. • Talvez não tenham imaginado que a natureza não tenha consciência alguma nem de moralidade nem de amoralidade, nem de mal ou de bem. • Estamos nos tempos de uma velha religião chamada pensamento-euro-único iniciada com a globalização e com o neoliberalismo, onde é proibido a divergência e a pluralidade. Não existe o multiculturalismo nem a tolerância contra a verdade original. • Sãos os euroapóstolos e europrofetas do vale-tudo, não querem regras nem normas, nada de olhar o passado e a História. Eles estão querendo reinventar o velho como se fosse o novo. Quem não estuda Filosofia comete e repete os mesmos erros. Por que não existe nada de novo para a Filosofia já faz 2000 anos... • Entramos na era da eurointolerância, do pensamento-euroúnico, da patrulha-euroideológica do politicamente-correto, do preconceito do preconceito, dos eurochatos de todo gênero, euroecochatos, eurohomochatos, europolitochatos,europedochatos. BIBLIOGRAFIA COMENTADA: AZEVEDO, João Lúcio de – Épocas de Portugal Econômico. Lisboa, Livraria Clássica, 1929. Um dos mais importantes historiadores portugueses do século, João Lúcio dá uma das melhores descrições e análises sobre a evolução e decadência da economia portuguesa desde o surgimento do Condado Potucalense, no século XI, até o final da época colonial. BUARQUE DE HOLANDA, Sérgio – Raízes do Brasil. São Paulo, Cia. Das Letras, 1995. Um dos livros mais importantes na "interpretação do Brasil moderno", Raízes é o legado mais conhecido e analisado da vasta obra de Sérgio Buarque. Aliando a interpretação dos fatos da história brasileira e portuguesa à análise da mentalidade social dos dois territórios, o historiador contribui para a definição de muitos aspectos que permeiam nossa história e nosso modo de ser e agir até hoje. GODINHO, Vitorino Magalhães – Os Descobrimentos e a Economia Mundial. Lisboa, Ed. Presença, 4 vols., 1981-83. Seguindo o exemplo de João Lúcio de Azevedo, Godinho pertence à restrita casta dos melhores historiadores lusitanos. Neste livro, ele compara o cenário mundial dos Grandes Descobrimentos à transformação da economia e sociedade portuguesa, em sua ascensão e posterior queda. Mostra de forma magistral como a maior parte dos recursos obtidos pela nação portuguesa em suas colônias foi gasto não num processo modernizador, mas de forma fútil, analisando tal fenômeno como decorrente de uma transição não concretizada do Feudalismo para o Capitalismo. KOSHIBA, Luiz – História do Brasil. São Paulo, Ed. Atual, 1993. Obra didática, mas bem escrita. Contém boa análise sobre o período da mineração no Brasil e como o ouro aqui recolhido se destinava a cobrir parte do déficit comercial com a Inglaterra. Livro de referência. MATTOSO, Antônio G. – História de Portugal. Lisboa, Livraria Sá da Costa, 1939 Relato sobre os principais fatos da história lusitana, com uma leve porção de saudosismo e ufanismo. É um dos poucos a defender a tese de que o Tratado de Methuen também foi benéfico a Portugal, que obtinha superávit com a exportação de vinho em troca dos panos ingleses. NOVAIS, Fernando – Portugal e o Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial. São Paulo, Ed. Hucitec, 1979. Livro fundamental para o entendimento das relações entre Brasil e Portugal, e entre este e a Europa, nos séculos XVIII e XIX. Novais analisa a transformação do regime colonial com a decadência lusitana e o aparecimento de novas potências econômicas e coloniais, como França e a própria Inglaterra, que usará sua pujança para dominar o mercado interno e colonial português com o intuito de converter-se na maior força do continente europeu. É nesse contexto que ele recupera dois tratados comerciais anteriores entre lusitanos e ingleses, que dão base ao acordo de Methuen na entrada do século XVIII. SERRÃO, Joel (org.) – Dicionário da História de Portugal. Lisboa, Iniciativas Editoriais, Volume III. Narra a história lusitana por meio de verbetes significativos à trajetória do país. Como Mattoso, Joel Serrão defende a superioridade portuguesa no acordo de Methuen e afirma que o tratado incentivou a indústria vinícola do país. Esse argumento é contestado principalmente por Sandro Sideri. SIDERI, Sandro – Comércio e poder: colonialismo informal nas relações anglo-portuguesas. Lisboa, trad. Port., Ed. Cosmos, 1970. Livro-base deste ensaio se detém especificamente na análise de todos os tratados firmados desde o século XVII entre Portugal e Inglaterra. Perfeito nas descrições de conjunturas históricas e interpretação dos fatos, a obra de Sideri se torna um tanto cansativa quando se propõe a analisar as teorias econômicas vigentes na época e o valor das moedas de troca nessas relações econômicas. Entre os livros usados, é o mais completo para consultas sobre os tratados comerciais entre portugueses e ingleses, analisando-o de forma crítica. Gostou do Blog O blog lhe foi útil Colabore para o autor Faça doações de valores A partir de US $ 1,00 Do you like this blog Is it useful to you donate from US $ 1,00 Bank Santander number 033 Brazil Agency 2139 Current 01014014-4 Bank of Brazil Agency 5197-7 Acount 257 333-4