quarta-feira, 21 de maio de 2008

EUA versus Brasil: liberdade

Brasil, pátria da liberdade
De nada adianta o país mais rico e próspero do mundo não proporcionar as condições para que o seu povo goze do maior de todos os valores que é a liberdade.

Não estou falando da Alemanha nem do Kwait ou dos Emirados Árabes, estou falando dos Estados Unidos da América do Norte.

Este grande irmão do Norte é uma república fundamentalista judaica-protestante.

Pouca gente sabe mas este país, que é equivocadamente o paradigma para muitos filósofos e defensores da liberdade, condenou à pena perpétua de detenção um cientista do comportamento, um psicanalista, o Dr. Reich porque ele cometeu a heresia de estudar a função do orgasmo.

Com um comportamento fundamentalista tão restritivo e preconceituoso, os EUA condenam o Presidente Clinton não porque tenha cometido um delito qualquer, ele foi muito além do que a sociedade fundamentalista evangélica-protestante poderia tolerar: ele fez sexo fora do casamento, isto é mais que um crime, é um pecado!

Todo o ódio dirigido às culturas islâmicas e católicas, representadas pelos povos latinos são cultivados pela cultura norte-americana, daí a perseguição aos latinos, italianos, chicanos, franceses, que são todos católicos inimigos naturais dos evangélicos.

O papa representa uma heresia para a doutrina evangélica, assim como o comportamento sexual não ortodoxo.

Um ateu ou um comunista representam o mais alto grau de blasfêmia, por isso os comunistas e socialista são constantemente satanizados pela mídia, pior do que qualquer criminoso hediondo, torturador, estuprador, sequestrador é o comunista, este nega a existência de Deus: é um ímpio inumano, tudo é permitido para exterminá-lo.

Quem participou de todas as guerras nos últimos cem anos, participou de mais de 200 guerras desde 1776, cometeu o maior genocídio da história da humanidade com armas atômicas, possui mais de 765 bases militares em mais de 160 países (a ONU reconhece 194 países organizados o mundo hoje)?


Parece que a humanidade já espera que sempre que um conflito se deflagre em algum canto do mundo, estará sempre por perto uma guarnição de Marines pronta para restabelecer o equilíbrio militar pelos omnipresentes paladinos da paz mundial.

Palavras proibidas pelos cientisas políticos e sociólogos em geral o conceito de “absoluto”, discriminado pelo pensamento liberal encontra nos conceitos de liberdade, democracia uma exceção.

Já se falou em “O fim da História”. É claro que eu discordo, democracia e liberdade não são conceitos absolutos, nem se aplicam a qualquer circunstância, época e civilizações como panacéia, mito menos o cristianismo.

Gostaria de ver, antes de morrer, algum cientista social relativizar e refutar o absolutismo de “democracia” e de “liberdade”, tótens sagrados e adorados como sacramentos dos ideiais ocidentais. Isto é ciência?




O Brasil é a terra mais tolerante de todos os quadrantes do globo.

Não precisamos importar problemas de culturas fundamentalistas.

Proponho o fim de todas pseudo-instituições que se auto-denominam protetoras de interesses de grupos minoritários de negros, mulheres, índios, judeus, palestinos, porque nós não discriminamos ninguém.

Qualquer cidadão nesta pátria abençoada tem o direito sagrado de gostar ou não de uma loira ou de uma mulata, isto é uma questão pessoal de gosto de cada um, daí a transformar a questão de gosto em preconceito vai uma distância quilométrica.